O PS manifestou este sábado preocupação face ao furto de material de guerra em Tancos e disse que viabilizará os requerimentos do PSD e do CDS-PP para a ida do ministro da Defesa Nacional ao Parlamento.

O PS não tem nada a opor, está sempre do lado da verdade e dos esclarecimentos, naturalmente que a posição do PS será favorável", declarou à Lusa o deputado Miguel Medeiros, coordenador dos socialistas na comissão de Defesa.

Para José Miguel Medeiros, é necessário aguardar por todas as investigações em curso para se poder tirar conclusões, sustentando que "o problema não está no ministro".

"O PS naturalmente está preocupado com a situação, aquilo que nos compete é ouvir o que o ministro vai dizer sobre o que se passou, que investigações estão a decorrer, e se foram tomadas as medidas adequadas para evitar que situações destas se repitam", disse.

Quanto ao requerimento apresentado pelo PSD para ouvir o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, o PS também não tem "nada a opor", mas frisou que em primeiro lugar deve ser ouvido o responsável político.

O PCP também já afirmou que viabilizará a ida de Azeredo Lopes ao Parlamento e considerou que o deve fazer "o mais rapidamente possível".

Em declarações aos jornalistas, na sexta-feira no Parlamento, o deputado António Filipe afirmou que "há que averiguar as circunstâncias em que o assalto ocorreu" e que "o Governo deve informar a Assembleia da República e o país o quanto antes acerca das averiguações".

A comissão de Defesa vai discutir na próxima semana, obviamente que o PCP considera que o ministro da Defesa deve ir à Assembleia da República prestar os esclarecimentos que tiver e que deve fazê-lo o mais rapidamente possível", disse.

Do lado do BE, o deputado João Vasconcelos confirmou este sábado que apoiará o requerimento para ouvir Azeredo Lopes.

Os requerimentos para a audição de Azeredo Lopes - e no caso do PSD também do Chefe do Estado-Maior do Exército - deverão ser votados na Comissão de Defesa na próxima terça-feira.

O Exército anunciou na quinta-feira que foi detetada na quarta-feira ao final do dia a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre 9 milímetros.

Na sexta-feira, o Exército acrescentou que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Em declarações este sábado à SIC, o chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, reconheceu que quem roubou o material de guerra do quartel de Tancos tinha "conhecimento do conteúdo dos paióis" e admitiu a possibilidade de fuga de informação.

Além da investigação conduzida pela Polícia Judiciária Militar e pela Polícia Judiciária, vai decorrer um inquérito no Exército para apuramento de eventuais responsabilidades, disse.

O ministro da Defesa assumiu a "responsabilidade política" pelo roubo, depois de os partidos políticos terem criticado o sucedido, com o CDS-PP a exigir a audição parlamentar de Azeredo Lopes e o PSD a pedir também para ser ouvido o general Rovisco Duarte.