A líder parlamentar de "Os Verdes" deseja um "arregaçar de mangas" de todo o Governo sobre a questão das florestas e dos fogos e não uma solução de recurso, rejeitando ainda quaisquer outras "estratégias partidárias".

Sobre o novo ministro, o PEV nada tem a dizer. É uma competência do primeiro-ministro e só do primeiro-ministro a escolha da sua equipa. Consideramos que, agora, é tempo de passar à ação e esperamos que não seja solução de recurso, mas sim para trabalhar, arregaçar as mangas e empreender as mudanças necessárias e estruturais na floresta, de prevenção, combate e proteção de pessoas e bens", disse à Lusa Heloísa Apolónia.

O primeiro-ministro propôs hoje ao Presidente da República a nomeação de Eduardo Cabrita para o cargo de ministro da Administração Interna e de Pedro Siza Vieira para o substituir no cargo de ministro-adjunto do primeiro-ministro.

É um trabalho que requer que seja assumido como prioridade de todo o Governo e não uma só pessoa. Este tema tem sido uma prioridade desde há muitos anos para Os Verdes e continuaremos a trabalhar nesse sentido", lembrou a deputada ecologista, citando como exemplo a condenação à liberalização da plantação de eucaliptos ou a defesa de mais vigilantes da natureza e de reforço do corpo de guardas florestais.

As alterações no executivo socialista surgem após a demissão da anterior titular da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, na sequência das duas tragédias de fogos florestais em junho e no último fim de semana, no centro e norte do país, que provocaram mais de 100 mortos.

Precisamos de ver o texto, mas estamos em tempo de ação e de propostas e não em tempo de estratégias partidárias relativamente a esta matéria. De resto, viu-se hoje a confrangedora posição do PSD em relação à moção do CDS", comentou ainda, questionada sobre a votação da censura ao Governo do PS anunciada pelos democratas-cristãos.

Segundo Heloísa Apolónia, o PEV está "a favor de todas propostas que contribuam seriamente para a solução" e "distante de todas as que são meras estratégias partidárias".