logotipo tvi24

Conselheiros de Estado vaiados à saída

Dezenas de pessoas mantiveram-se até ao fim da reunião em frente ao Palácio de Belém

Por: tvi24    |   2012-09-22 01:30

«Cobardes» e «gatunos», gritaram bem alto algumas dezenas de manifestantes que permaneceram em frente ao Palácio de Belém até ao final da reunião do Conselho de Estado.

«O povo unido jamais será vencido» foi também outra das palavras de ordem ouvidas no final da reunião dos conselheiros de Estado.

Os manifestantes gritavam e assobiavam enquanto saíam do palácio presidencial, pela porta principal, as viaturas em velocidade acelerada, constatou a Lusa no local.

Vários milhares de pessoas voltaram esta sexta-feira às ruas em várias cidades do país para protestar contra as medidas de austeridade enquanto os conselheiros de Estado reuniram no Palácio de Belém, em Lisboa.

O protesto com maior número de pessoas decorreu junto ao palácio presidencial, onde milhares gritaram desde as 17:00 palavras de ordem e mostraramm o descontentamento com vários cartazes contra as políticas de austeridade.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Vigília à porta do Palácio de Belém

Vigília à porta do Palácio de Belém [Reuters] EM CIMA: Vigília à porta do Palácio de Belém [Reuters]

Jerónimo acusa Passos de requisitar Cavaco para fiscalização preventiva
Em causa as normas orçamentais da Contribuição de Sustentabilidade das pensões e da tabela salarial única da função pública
PS leva aprovação dos cortes nas subvenções a tribunal
Diploma foi aprovado em votação final global com os votos favoráveis do PSD e CDS-PP, a abstenção de PCP, BE e PEV e o voto contra dos socialistas
Aprovada a criminalização dos maus-tratos contra animais
Deputados do CDS-PP Abel Baptista e Hélder Amaral votaram contra o novo regime sancionatório e Cecília Meireles e Mishael Seufert abstiveram-se
EM MANCHETE
PR «é mais cúmplice que outra coisa»
Líder do PCP acusa Passos Coelho de requisitar Presidente para fiscalização preventiva das normas da Contribuição de Sustentabilidade
Reintrodução de cortes aprovada
BES perde mais de 7% e arrasta banca para terreno negativo