O curto discurso de Ana Gomes no XVI Congresso Nacional do PS foi directo às suspeitas de corrupção e à desconfiança que os portugueses têm pelos políticos.

«É urgente tomarmos medidas para terminar com esta democracia envenenada onde se entende que toda a classe política é corrupta. O projecto de João Cravinho [dois projectos-lei para o combate à corrupção] é inadiável, a lei penal tem de ser mais rigorosa para o enriquecimento ilícito», começou.

A eurodeputada considerou que qualquer «político tem de provar o seu dinheiro limpo», porque «os portugueses sabem que as pessoas sérias não tem dificuldade em fazer prova de onde vem o seu dinheiro».

Siga o congresso AO MINUTO

Neste sentido, Ana Gomes referiu-se (in)directamente ao caso Freeport, apontada uma «campanha de ataque político e pessoal ao primeiro-ministro a pretexto de uma investigação judicial de corrupção».

Por isso, a socialista defendeu que «enquanto não tivermos meios de punir a corrupção, a suspeita paira sobre todos», criticando «o circo em que se transformou o segredo de justiça, sobretudo na fase de inquérito dos casos mais mediáticos».

«Actuemos já. De outro modo, os culpados continuarão impunes. Persistirá a roubalheira e a desconfiança nos políticos», prosseguiu.

Crise, offshore e o Tratado de Lisboa

Ana Gomes criticou ainda «as soluções milagrosas para a crise» que os partidos «à nossa direita e à nossa esquerda» querem fazer crer que existem. «Não bastam ao Governo as deduções fiscais, importa repensar o sistema tributário, o capital e controlar as offshore, os paraísos fiscais que existem, incluindo na Madeira», disse, ouvindo o maior aplauso da tarde.

«Não podemos deixar de sentir vergonha na desigualdade que existe em Portugal comparada com o resto da Europa. E quem mais sofre são as mulheres. Para além do combate à violência doméstica, precisamos de inspecções, de polícias e tribunais com punições exemplares», continuou.

A eurodeputada fez questão de terminar com uma referência ao Tratado de Lisboa, «sem o qual é mais custoso ultrapassar esta crise global».