O antigo ministro do PSD José Pedro Aguiar-Branco lamentou, neste sábado, a ausência no Congresso social-democrata de "militantes de grande responsabilidade", como Rui Rio ou Manuela Ferreira Leite, que opinam sobre o partido "fora dos órgãos" do mesmo.

"Eu lamento sempre ausências. Acho que militantes de grande responsabilidade histórica ou atual e que sobretudo também estão a fazer o seu sentido crítico fora dos órgãos do partido, deviam aqui vir", vincou Aguiar-Branco, que falava aos jornalistas à margem do segundo dia do 36.º Congresso Nacional do PSD, que decorre até domingo em Espinho, distrito de Aveiro, reunindo 750 congressistas.

Depois, o antigo ministro social-democrata deu três nomes - Rui Rio, Manuela Ferreira Leite e Nuno Morais Sarmento - de figuras que, advoga, deviam vir "ao órgão máximo do partido".

"Este é o local por excelência [para falar]. Não compreendo que haja militantes de prestígio, a quem o partido muito deve, que não venham ao congresso. Isso eu lamento. (…) Acho que o PSD sempre foi um partido bastante global, de ser uma força para o próprio partido, e aqui também", prosseguiu.

Para José Pedro Aguiar-Branco, há um "grande desafio" para o PSD em 2017, as eleições autárquicas. "Enquanto partido, o grande desafio que tem pela frente é as próximas eleições autárquicas. Espero que todos estejam realmente mobilizados", declarou.

Mesmo faltando ainda "quase dois anos" para esse ato eleitoral, Aguiar-Branco diz que para a autarquia de Lisboa tem já em mente um putativo candidato do PSD, mas apenas "em momento certo" - que não hoje - revelará a sua preferência.

O 36.º Congresso Nacional do PSD arrancou na sexta-feira e termina no domingo.