As eleições autárquicas são só no próximo dia 1 de outubro, mas acabam de provocar uma demissão no PSD. O presidente da concelhia de Lisboa, Mauro Xavier, sai por discordar da estratégia do partido para a capital, onde Teresa Leal Coelho é a candidata social-democrata às eleições autárquicas.

O político utilizou o Facebook para explicar os motivos da demissão do cargo. "São conhecidas as minhas diferenças de opinião relativamente à condução deste processo, e mesmo a minha divergência em relação à atual liderança, mas isso em nada condicionou o meu empenho e vontade de vencer Lisboa".

A dois meses do termino do mandato da Concelhia sei que tinha todas as condições políticas para continuar, porém acredito que a candidata e o líder do partido devem ter toda a liberdade para tomarem as decisões que entenderem, como entenderem e quando entenderem. Ainda para mais quando a candidata recusou expressamente e publicamente dialogar ou reunir com a estrutura do PSD em Lisboa. A última coisa que desejo é que os militantes de Lisboa, ou a sua concelhia, sejam uma espécie de obstáculo, ruído de fundo ou pretexto. E também não é agora que vou aprender a participar politicamente sem dizer o que penso".

À agência Lusa, Mauro Xavier assinalou as “divergências estratégicas e programáticas” e considerou que “este não é o projeto que faria sentido” para a capital.

Sublinhando que o combate se deve centrar “na oposição ao Fernando Medina e não nas divergências internas do PSD”, Mauro Xavier explica que a sua demissão “não tem que ver nem com a forma como o nome foi escolhido, nem com o nome em si próprio”.

Eu entendia que já deveríamos ter candidato a um ano antes das eleições e temos um candidato a seis meses das eleições”.

Mauro Xavier mostra-se disponível para “colaborar enquanto militante base” e diz que “enquanto presidente [da concelhia] não faz sentido”. “Se eu não concordo com o calendário, não concordo com a estratégia não faz sentido liderar a ação no terreno”.

Na publicação do Facebook, diz ainda não ser dos que partilha de uma “visão catastrofista destas eleições” e acredita que o PSD pode vencer.

O líder social-democrata, Passos Coelho, já disse que não se demite se o resultado das autárquicas for mau.