O candidato europeu da CDU pediu esta sexta-feira mais força a quem pode levantar o país, em Guimarães, «Berço da Nação», numa visita a um bairro social, lamentando que as maiores fortunas de Portugal continuem a aumentar.

«É ultrajante, quando hoje somos confrontados com notícias de que, nos últimos três anos as maiores fortunas do país aumentaram e continuam a aumentar, que tenhamos um salário mínimo com o valor que tem. Já devia ter atingido os 500 euros, pelo menos, em 2011. Foi esse o acordo alcançado na concertação social. Primeiro, foi desrespeitado pelo Governo socialista, depois pelo atual Governo», afirmou João Ferreira.

O candidato visitou uma fábrica de calçado portuguesa e vai ainda passar pelas instalações da multinacional de pneus Continental/Mabor.

Em diálogo com os moradores e comerciantes do bairro social vimaranense da Nossa Senhora da Conceição, o eurodeputado foi ouvindo as queixas, alguns piropos e prometendo que a CDU «é a força que é diferente dos que foram sendo todos iguais».

«É preciso mais força a quem o pode levantar [país]. Não fique em casa no dia 25», apelou incessantemente, clamando pela «derrota deste Governo e deste caminho de empobrecimento do país».

Augusta Macedo, por exemplo, uma costureira de fábrica já aposentada aos 63 anos e com 34 de vida na zona da Conceição, nas traseiras do Estádio D. Afonso Henriques, lamentava a reforma de 350 euros, mais os 420 do marido, para fazer face a um aumento de renda de 11,22 para 213 euros.

«O que me vale é que as minhas filhinhas já estão casadas e bem entregues», disse, acrescentando, para gáudio da comitiva comunista, que «o PS é bom, mas é para trás e para a frente, para trás e para a frente».

«É uma lei que lhes impõe aumentos brutais nas rendas, nalguns casos de 2000% e mais, que coincidem com a redução de rendimentos dos agregados familiares. É na altura em que há mais desemprego, que há cortes nos salários e nas pensões que as famílias se veem confrontadas com aumentos de renda inaceitáveis. É um problema que não afeta apenas os moradores deste bairro. Afeta outros bairros de Guimarães, bairros por todo o país», descreveu João Ferreira.

Na papelaria/tabacaria do bairro, as proprietárias - mãe e filha - comentavam a aparência do recandidato a Bruxelas e Estrasburgo com uma vizinha: «é um eurodeputado que, sim senhora. É jeitoso. Assim está bem, que eu estive ali à beira dele e 'upa, upa'... desengomava-lhe aquela camisinha toda».

João Ferreira, sentindo-se acarinhado, até ensaiou uma nova palavra de ordem - «no norte, a CDU está cada vez mais forte», antes da reunião com a Associação de Moradores da Zona Urbana da Conceição.