O PSD na Assembleia Municipal do Porto vai votar contra a candidatura do centrista Miguel Pereira Leite à presidência daquele órgão, mas o candidato será apoiada pelo PS, e a CDU tem um alternativo, Honório Novo.

A eleição do novo presidente da Assembleia Municipal do Porto está marcada para segunda-feira e ocorre cerca de três semanas após a demissão do anterior titular do cargo, o economista Daniel Bessa.

Bessa alegou «motivos pessoais», mas este mês afirmou à Rádio Renascença que «há CDS a mais» no movimento independente que, com apoio oficial centrista, elegeu Rui Moreira presidente da Câmara do Porto - e ele próprio presidente da Assembleia Municipal.

Miguel Pereira Leite, simpatizante do CDS-PP e administrador de uma sociedade gestora de fundos, era o segundo secretário da mesa da Assembleia Municipal e tudo indica que vai ser eleito para o cargo que Daniel Bessa exerceu durante pouco mais de três meses.

O candidato vai ser proposto pelo grupo independente afeto a Rui Moreira e é apoiado pelo PS.

O PSD vai votar «contra» e justificar o seu voto sublinhando que Daniel Bessa foi um dos grandes trunfos da candidatura independente de Rui Moreira e «o rosto das contas certas», disse à Lusa o coordenador do PSD, Luís Artur, na Assembleia Municipal do Porto.

A sua saída demonstra que «há um evidente mal-estar na coligação» que reúne deputados independentes afetos a Rui Moreira e do CDS-PP, acrescentou, referindo que o voto do seu partido será de «protesto político».

Luís Artur concluiu que a possível substituição de Daniel Bessa por Miguel Pereira Leite «é uma fraude face ao que foram as eleições» autárquicas de 29 de setembro de 2013.

O social-democrata sustentou também que a saída de Bessa reflete "um deteriorar da gestão camarária", na qual, em sua opinião, o PS tem um peso excessivo.

Miguel Pereira Leite «foi uma escolha completamente consensual», afirmou o deputado coordenador do grupo municipal independente, o centrista André Noronha.

«Tem perfil próprio para o cargo, experiência necessária e assegura a representatividade da Assembleia ao seu melhor nível», justificou Noronha, referindo-se ao candidato.

O PS não tem «nada a objetar» contra a escolha de Miguel Pereira Leite, considerando tratar-se de «uma competência legítima» da respetiva bancada.

«É uma pessoa que não oferece nenhuma reserva. Tem experiência, é competente e será capaz de fazer um bom papel, desde que os deputados também ajudem», realçou o líder socialista, Gustavo Pimenta.

Miguel Pereira Leite «mostra gosto pela função, coisa que Daniel Bessa não tinha», reforçou Pimenta, o qual lembrou ainda que o candidato já fez parte da mesa da Assembleia Municipal no anterior mandato.

A CDU candidata novamente Honório Novo, que já tinha concorrido contra Daniel Bessa e conta com o apoio do Bloco de Esquerda (BE).

Honório Novo, que foi vereador em Gaia e em Matosinhos e deputado europeu e da Assembleia da República, neste caso, durante 14 anos, «é alguém que quer pôr a sua experiência ao serviço da cidade», referiu o deputado Artur Ribeiro, da CDU. «É uma candidatura abrangente», completou.

O BE prefere Honório Novo a Miguel Pereira Leite, sustentando que se este for eleito «há o risco muito vivo da Assembleia Municipal ser vista como uma extensão do executivo», o que seria uma «perda política», justificou José Castro.