O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, manifestou esta terça-feira «disponibilidade» para acolher propostas da oposição para o Orçamento do Estado, desde que signifiquem «mais disciplina orçamental e mais estímulo ao crescimento».

«Creio que é importante dar nota da disponibilidade que temos de poder compreender e eventualmente acolher propostas que, vindas da oposição, possam significar mais disciplina orçamental e mais estímulo ao crescimento económico no próximo ano de 2014», afirmou Montenegro.

O presidente da bancada social-democrata falava na sessão de encerramento das jornadas parlamentares do PSD e do CDS-PP, na Assembleia da República.

«Teremos ainda nesta semana o debate na generalidade e teremos depois o debate na especialidade, no qual os deputados da maioria não se vão eximir a contribuir com algumas propostas que possam melhorar ainda esta proposta de Orçamento de Estado e também a apreciar aquelas propostas que virão dos partidos da oposição», reiterou Luís Montenegro.

O líder da bancada social-democrata acusou, por outro lado, que a oposição, «em particular, o maior partido da oposição» de ser responsável pelo «falhanço mais clamoroso da política portuguesa» ao ter dito que «o país estava a caminhar no sentido da espiral recessiva, quando o país, os portugueses, as empresas, as famílias, os nossos concidadãos, deram uma resposta completamente diferente».

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, referiu-se ao Orçamento do Estado como contendo «medidas duras, difíceis», e reiterou que, dentro da «margem de manobra» que os partidos da maioria dispõem, de alterar a proposta inicial vinda do Governo.

«É o que trataremos de fazer, explicar o Orçamento do Estado, justificar a sua necessidade, alertar para os perigos de ele não ser cumprido, mas também, dentro das circunstâncias, nas circunstancias, atendendo às circunstâncias, procurar, sempre em colaboração com o Governo, apresentar as melhores soluções e propostas», cita a Lusa.