O eurodeputado do CDS-PP Nuno Melo considerou esta segunda-feira que o encontro do primeiro-ministro com o líder socialista representa uma «oportunidade», sublinhando que as atuais circunstâncias aconselham a entendimentos em relação às reformas que têm de ser feitas.

«Temos uma presunção de boa fé destes encontros, são muito mais do que momentos de apreciação pública ou mediática, são uma oportunidade. Esperamos que deste encontro também surjam oportunidades de consenso em relação a grandes reformas que o país tem de fazer, nem todas fáceis», afirmou o eurodeputado do CDS-PP, em declarações aos jornalistas no final de um encontro com o Presidente da República com vista à marcação da data das eleições europeias.

Sublinhando que o CDS-PP vê toda a vantagem na realização de encontros como o que se irá realizar ao final da tarde entre o primeiro-ministro e o líder do PS, Nuno Melo enfatizou a importância dos três grandes partidos do arco da governabilidade em se entenderem.

Além disso, acrescentou, a atual circunstância, com o programa de ajustamento assinado pelo PS em 2011 ainda em execução, «aconselha a entendimentos» que nem seriam inéditos pois tal já aconteceu na recente reforma do IRC.

A audiência entre Passos Coelho e António José Seguro, marcada para as 18:45, surge na sequência do convite do primeiro-ministro ao líder do PS para analisar em conjunto o processo de conclusão do programa de assistência financeira e para a construção de uma «estratégia de médio prazo».

Questionado sobre a prescrição de procedimentos contraordenacionais contra dirigentes do BCP, Nuno Melo escusou-se a fazer comentários, alegando que o CDS-PP respeita o princípio de separação de poderes.

«É desejável que as prescrições não aconteçam, perceber porque acontecem não terá mal, agora respeitamos aquilo que tem a ver com o poder judicial», referiu.