A líder do CDS-PP defendeu esta quinta-feira, após visitar uma escola de Carcavelos, em Cascais, que o sistema educativo deve "ter estabilidade", o que justificou a apresentação no Parlamento de uma proposta de alteração da Lei de Bases da Educação.

"Para nós o mais importante de tudo é conseguirmos alcançar um padrão de estabilidade por seis anos. Entendemos que temos que dar estabilidade às escolas, aos alunos, aos professores, aos pais, para que saibam que durante seis anos as coisas não vão mudar", afirmou Assunção Cristas.

A deputada falava no dia em que apresenta no Parlamento uma proposta de alteração da Lei de Bases da Educação, que prevê apenas oito semanas consecutivas de pausa letiva durante o verão e a divisão do ensino básico em dois ciclos.

De acordo com Assunção Cristas, o objetivo da proposta visa que "durante seis anos as matérias são as mesmas, os manuais são os mesmos, os exames são aqueles que estão programados e não outros, no fundo dar tranquilidade, estabilidade e até a possibilidade de avaliar corretamente e em profundidade aquilo que são as várias opções".

"Isto não é a favor de nenhuma política educativa ou de nenhum governo em detrimento de outro, é a favor de termos uma base mínima de entendimento e de conseguirmos manter esse entendimento durante seis anos", frisou a dirigente partidária.

Após visitar a Escola Básica e Secundária de Carcavelos, no concelho de Cascais, Assunção Cristas salientou ainda o papel do professor, como "agente extraordinário na escola".

"Nós sabemos que muitas vezes o sucesso ou insucesso dos alunos tem ligação direta com o professor e portanto entendemos que a comunidade escolar deve ter tranquilidade e se há matéria em que os professores se queixam e com razão é em como as coisas mudam todos os anos", acrescentou.

A líder "centrista" aproveitou para criticar o atual governo, quando se referiu às mudanças "a meio do ano letivo".

"Este governo foi capaz de mudar a meio do ano letivo questões tão importantes como por exemplo a avaliação que estava prevista. Isso é matéria que nós não queremos que volte a acontecer, com este governo, com outro governo", vincou Cristas.

A proposta apresentada no Parlamento pretende "gerar consensos", num aspeto mais básico "da estabilidade" e contribuir para a revisão de uma "lei que tem 30 anos", sublinhou.

Assunção Cristas visitou o estabelecimento de ensino acompanhada pelo diretor do agrupamento de escolas de Carcavelos, Adelino Calado, enquanto decorriam as aulas e as atividades desportivas.

Numa sala, os alunos pediram para tirar fotografias com a dirigente do CDS-PP, apesar de alguns perguntarem "quem era" a visitante.

"É assim que se começa", comentava, por seu lado, uma acompanhante da comitiva partidária, perante o entusiasmo da única sala de aula visitada pela ex-ministra, numa escola com turmas do 5.º ao 12.º ano.

Apesar do bom aspeto geral das instalações, avarias no ar condicionado e vestígios de infiltrações fazem parte dos problemas identificados nesta unidade escolar.