A criação do «estatuto e do cartão do simpatizante» é uma das propostas da moção que Miguel Xara Brasil e Paulo Freitas do Amaral, candidatos autárquicos do CDS-PP nas últimas eleições, apresentam ao congresso do partido.

Intitulada «Mais CDS - Mais Portugal», a moção subscrita por mais de 300 militantes apresenta três propostas concretas, uma das quais para a criação do «estatuto e do cartão do simpatizante», com o objetivo de «aprofundar a relação entre todos aqueles que, embora não querendo ou não podendo ser militantes, tenham ou sintam ligação ao partido».

O «simpatizante» poderá ser de qualquer nacionalidade e terá de ser proposto por dois militantes. Embora sem direito a voto, o «simpatizante» poderá, desde que seja convidado pelo órgão competente, assistir e participar em reuniões de trabalho ou fazer parte de grupos de trabalho e poderá ser convidado a integrar as listas do partido em eleições autárquicas, regionais, legislativas ou europeias.

Outras das iniciativas propostas na moção de estratégia global no sentido de aproximar o partido da sociedade é a criação do «Laboratório Mais CDS, Mais Portugal», que deverá elaborar propostas de âmbito setorial, com contributos regionais, «para que as mesmas sejam apreciadas e se tornem em propostas políticas do CDS-PP para uma região ou para o país».

Miguel Xara Brasil e Paulo Freitas do Amaral defendem ainda a realização de um «grande evento anual» para proporcionar «um encontro informal e multigeracional, que tenha uma componente cultural e desportiva, mas que permita simultaneamente a partilha de experiências, de ideias e de conhecimento».

«Será um evento que tenha simultaneamente capacidade para chamar a atenção para causas (um ano/uma causa), que distinga contributos cívicos, com forte componente cultural e virado para o futuro», é ainda referido no texto da moção de estratégia global.