O Presidente da República, Cavaco Silva, enviou sentidas condolências à família do ex-ministro da Agricultura Sevinate Pinto, falecido esta noite aos 69 anos, um homem que «possuía um conhecimento ímpar da realidade do mundo rural português».

Na mensagem de condolência, publicada na página da presidência na internet, o presidente destacou que Armando Sevinate Pinto «possuía um conhecimento ímpar da realidade do mundo rural português, fruto do seu labor académico, da sua proximidade aos problemas da terra e da sua experiência como Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional».

O ex-ministro, hoje falecido aos 69 anos, exerceu funções como Consultor da Casa Civil do Presidente da República até março de 2014, altura em que foi exonerado, a pedido do próprio, depois de ter assinado o «Manifesto dos 70», no qual diversas personalidades pediam a reestruturação da dívida pública portuguesa.

«Tive o privilégio de contar com o extraordinário apoio do seu saber e da sua experiência e, a par disso, de testemunhar as suas invulgares qualidades humanas: o seu sentido patriótico de dever, a sua profunda dedicação a Portugal, a calorosa afabilidade de trato, o apreço pelo convívio fraterno com os seus semelhantes», realçou o presidente.

Também Passos Coelho enviou as suas «sentidas condolências» à família do antigo ministro Armando Sevinate Pinto, que classificou como «um homem da terra», informou o seu gabinete.

«Foi com tristeza que recebi a notícia do falecimento do engenheiro Armando Sevinate Pinto. Um homem da terra, e que serviu a nossa terra, na universidade, na empresa, no associativismo profissional e na política, Armando Sevinate Pinto dedicou a sua vida à ruralidade moderna e próspera», lê-se na mensagem do primeiro-ministro.

Passos Coelho lembrou também Sevinate Pinto como «um homem profundamente ligado ao projeto do desenvolvimento rural e pelo enriquecimento das potencialidades agrícolas» das regiões.

«Combateu por vários meios o falso fatalismo de que os setores da terra e do agroalimentar não tinham futuro em Portugal. E tinha razão. À família enlutada e aos seus amigos, dirijo as minhas sentidas condolências», termina a mensagem do primeiro-ministro.

Sevinate Pinto «aliava essas qualidades profissionais e pessoais a uma discrição que é própria daqueles que não almejam protagonismos nem buscam palcos mediáticos», destacou.

Armando José Cordeiro Sevinate Pinto nasceu em Ferreira do Alentejo a 01 de janeiro de 1946, era casado, tinha dois filhos e licenciou-se em engenharia agrónoma pelo Instituto Superior de Agronomia (Universidade Técnica de Lisboa).

Como independente pelo PSD, foi ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional (PSD/CDS-PP), dirigido pelo primeiro-ministro Durão Barroso, entre 06 de abril de 2002 a 17 de julho de 2004.