O PSD defendeu esta quinta-feira a necessidade de se manter o rumo e de se rejeitar ilusões de facilitismo, sublinhando que os grandes desafios que Portugal tem pela frente exigem «consensos significativos».

«O PSD acolhe e revê-se no essencial da mensagem de Ano Novo do Presidente da República, partilhando a sua confiança num ano melhor para os portugueses. Mas, o PSD ressalva também, como faz o Presidente da República, a necessidade de se manter o rumo seguido até aqui, rejeitando a ilusão de que tudo está feito e que o país terá entrado numa nova fase de facilitismos», afirmou o secretário-geral do PSD, José Matos Rosa.

Numa declaração aos jornalistas na sede do partido, sem direito a perguntas, o secretário-geral do PSD lembrou que, apesar dos resultados já alcançados, Portugal apresenta ainda «desafios muito exigentes», com as grandes questões nacionais a ultrapassarem em muito «o mero ciclo eleitoral».

Por isso, preconizou, os problemas devem ser encarados com «exigência, abertura e espírito de cooperação por todas as forças políticas, sem taticismos, sem populismo e sem eleitoralismos vãos».

«Os grandes desafios que temos pela frente exigem consensos significativos, condição indispensável para os ultrapassarmos, de forma sustentada e num horizonte de tempo alargado. Independentemente dos compromissos eleitorais, 2015 deve ficar marcado como o ano dos consensos que permitam definitivamente a Portugal afirmar-se como uma democracia moderna e eficaz», disse José Matos Rosa.

Na declaração lida aos jornalistas imediatamente a seguir à transmissão da mensagem de Ano Novo do Presidente da República, o secretário-geral social-democrata recordou brevemente os «anos difíceis, de enorme intensidade e exigência» que os portugueses têm vivido e alguns dos resultados já alcançados na economia ou na redução do desemprego.

«Estamos convencidos que o novo ano, apesar de exigente, vai ser melhor que os anteriores e que as recentes conquistas financeiras, económicas e sociais serão reforçadas e consolidadas», acrescentou.

Na mensagem de Ano Novo que dirigiu esta noite aos portugueses, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, apontou 2015 como «um ano de escolhas decisivas», recomendando aos partidos cuidado nas promessas eleitorais que irão apresentar nas legislativas, porque os problemas do país não se resolvem «num clima de facilidade».

O chefe de Estado interpelou ainda os portugueses e, em especial os políticos, a prepararem o período pós-eleições, sublinhando que não é só no dia a seguir às eleições que se constroem soluções governavativas estáveis