O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, sublinhou esta segunda-feira a importância de serem encontradas soluções para o médio e longo prazos nos países de origem dos migrantes, ao intervir no encontro do Grupo de Arraiolos, a decorrer na Alemanha.

Segundo fonte diplomática que assistiu à intervenção feita à porta fechada, no Castelo de Wartburg, em Eisenach, o chefe de Estado português começou por notar os grandes problemas que a União Europeia (UE) tem de tratar a curto prazo, numa referência aos milhares de migrantes que têm tentado chegar ao velho continente.

Cavaco Silva acrescentou a necessidade de serem encontradas soluções para o médio e longo prazos, designadamente no plano dos países de origem dos migrantes.

Esta posição, segundo a mesma fonte diplomática, terá sido apoiada por outros chefes de Estado, que durante dois dias se reúnem informalmente na Turíngia.

O Presidente da República destacou, também, a importância da próxima cimeira da União Europeia, em novembro, em Malta, dedicada ao tema dos migrantes.

O primeiro dia deste encontro informal de chefes de Estado foi ainda marcado pelo tema da coesão europeia, com Cavaco Silva, na sua intervenção a lembrar que os apoios financeiros europeus no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) de 2007-2013 ajudaram Portugal a reduzir os impactos negativos da crise económica e financeira.

A agenda dos trabalhos começou com uma palestra sobre a reforma religiosa.

Ao contrário do previsto, o Presidente da Hungria não compareceu na reunião, na qual Malta participa pela primeira vez, com estatuto de observador, como a Bulgária e a Estónia.

Na terça-feira-feira, os trabalhos terminam em Erfurt.

o grupo de Arraiolos junta informalmente, com periodicidade anual, os chefes de Estado de Portugal, Alemanha, Áustria, Eslovênia, Finlândia, Hungria, Itália, Letónia e Polónia, sendo fundamentalmente dirigentes sem poderes executivos.

O grupo reuniu-se pela primeira vez na vila alentejana de Arraiolos, em 2003, por iniciativa do então Presidente português, Jorge Sampaio, para discutir o futuro da União Europeia.