A coordenadora do BE Catarina Martins defendeu hoje a aplicação pela União Europeia de sanções económicas a Israel, nomeadamente a empresas instaladas em territórios palestinianos ocupados, que forcem uma solução política de dois estados, israelita e palestiniano.

«Face ao banho de sangue que está a acontecer na Faixa de Gaza, o que se exige neste momento, desde logo à União Europeia, é que possa passar das palavras de solidariedade ou das palavras de preocupação para sanções económicas concretas, que possam forçar uma solução política que permita que existam dois estados, Palestina e Israel», afirmou Catarina Martins.

A coordenadora do Bloco foi hoje recebida na Embaixada da Palestina em Lisboa, pelo embaixador, Hiqmat Ajjuri.

«As palavras de solidariedade não chegam. Há neste momento um apelo a um cessar-fogo, esperemos que se concretize o mais rapidamente possível, mas é depois preciso ter as condições políticas para uma efetiva paz», defendeu.

«Para isso, é preciso tomar decisões corajosas no nosso país e ao nível da União Europeia», argumentou, lembrando o papel das sanções económicas à África do Sul no fim do regime de segregação social do "apartheid".

O BE apresentou no parlamento uma «condenação forte aos ataques que Israel está a fazer à Palestina e está empenhado no Grupo Parlamentar Europeu GUE/NGL, como no grupo da Esquerda Europeia, em vozes consonantes internacionais e que possam dizer claramente que não estamos numa luta entre iguais ou numa guerra entre iguais», disse.

«Estamos a falar de um território palestiniano que está ocupado por Israel e estamos a falar de um dos maiores exércitos do mundo que está a atacar um povo que nem sequer tem um exército», declarou.

Em declarações à Agência Lusa, o embaixador Hiqmat Ajjuri manifestou o seu contentamento pela posição do BE.

«Fiquei muito feliz em ouvir dizer que as palavras não chegam, que é preciso passar aos atos. Israel está a comportar-se como um país acima da lei. Esperamos que o mundo exerça pressão a Israel para o obrigar a obedecer ao Direito Internacional e às resoluções das Nações Unidas», disse.

O embaixador da Palestina em Lisboa disse que neste momento todo o «apoio moral» dos «amigos em Portugal» é bem-vindo e qualificou as palavras de Catarina Martins de «muito solidárias».

«Estou certo que ela fará tudo à sua disposição para nos ajudar a alcançar uma solução justa», disse.

«Ela compreende totalmente que não estamos num plano de igualdade, os palestinianos e os israelitas. Ela sabe que os israelitas estão a ocupar a Palestina e que não é ao contrário. Ela sabe que aquilo que Israel está a fazer desproporcionalmente relativamente aos palestinianos, não é de forma alguma aceitável», afirmou.

A aviação israelita retomou no início da tarde de hoje o bombardeamento da Faixa de Gaza após ter observado uma trégua de seis horas rejeitada pelo movimento palestiniano Hamas.

O governo israelita tinha informado que aceitava uma iniciativa de cessar-fogo proposta pelo Egito e que previa uma trégua a partir das 07:00 (hora de Lisboa), após uma semana de bombardeamentos em Gaza.

O Hamas, que controla o enclave palestiniano, rejeitou a iniciativa egípcia.

Os raides israelitas sobre o território palestiniano já provocaram perto de 200 mortos e 1.300 feridos em oito dias, na maioria civis.