“Tenho na minha natureza essa caraterística de procurar sistematicamente o que nos aproxima e não o que nos afasta e é essa tarefa que tentarei desempenhar nas funções que exerço como ministro dos Assuntos Parlamentares. O que nós queremos é que se encontrem boas soluções, sólidas, estáveis e, com base nestas soluções, podermos corresponder àquilo que o país necessita”

O açoriano Costa Neves desempenha pela segunda vez as funções de ministro num Governo da República, tendo assumido a pasta da Agricultura no executivo PSD de Santana Lopes.

Reconhecendo que o facto de o PSD não ter uma maioria absoluta de deputados no parlamento obrigada à procura de consensos, Costa Neves considerou que se “atravessa, neste momento, uma fase que ainda necessita de clarificação”.

 

“Obviamente que a coligação Portugal à Frente ganhou as eleições, tendo, e bem, entendido o Presidente da República encarregar o presidente do PSD e membro dessa coligação de formar Governo”

O programa do novo Governo será apresentado no Parlamento nos dias 09 e 10 de novembro.

“Nós estamos preparados para assumir as nossas responsabilidades. Estou nem otimista nem pessimista, estou realista, penso que temos um bom programa que, em traços gerais, foi apresentado aos portugueses durante a campanha eleitoral. Os portugueses conhecem muito bem este programa, sabem ao que viemos, com o que podem contar”, afirmou o antigo eurodeputado.

Numa abordagem mais pessoal, o ex-secretário regional dos governos de Mota Amaral considerou que sendo um ministro do Governo da República, a sua preocupação é naturalmente a responsabilidade nacional, mas lembrou a sua experiência com a realidade dos Açores e das autonomias.

Além das funções governativas no país e no arquipélago, e das funções de deputado na Assembleia da República e no Parlamento da região, Carlos Costa Neves foi por duas vezes líder do PSD/Açores.