Mais 48 milhões de euros para cantinas sociais

Verba está integrada no Programa de Emergência Social. Governo diz que todas as medidas já estão em marcha

Por: tvi24 / SM    |   11 de Abril de 2012 às 08:20
O Governo aumentou em 48 milhões o valor destinado às cantinas sociais, passando de dois milhões no Orçamento de Estado de 2011 para os atuais 50 milhões, disse à agência Lusa o ministro da Solidariedade e Segurança Social.

O Programa de Emergência Social (PES) foi apresentado em agosto com o objetivo de combater a pobreza e a exclusão social e com atuação em cinco áreas essenciais: famílias, idosos, deficientes, voluntariado e instituições sociais.

Em declarações à Agência Lusa, num primeiro balanço do PES, o ministro Pedro Mota Soares adiantou que, passados seis meses de aplicação do programa, a totalidade das medidas foi colocada em marcha, mas que outras foram surgindo, dando como exemplo a criação das cantinas sociais.

Para esta medida, de acordo com o ministro, o Governo destinou 50 milhões de euros e lembrou que a verba anteriormente prevista no Orçamento de Estado de 2011 era de dois milhões de euros.

O reforço orçamental para esta medida, explicou, visa aumentar a atual resposta de 60 cantinas sociais existentes a nível nacional para 950, distribuídas pelas zonas cujas populações estão a sofrer maiores dificuldades.

«Queremos reforçar de dois para 50 milhões, queremos passar de uma resposta que hoje do ponto de vista nacional é dada em 60 instituições para uma resposta que possa ser dada em 950 instituições», sublinhou Mota Soares.

O ministro frisou que esta é uma verba que não se destina a construir novos equipamentos, mas sim a aproveitar os equipamentos existentes das instituições de solidariedade social.

«Queremos que a partir dos equipamentos sociais existentes e que já dão repostas, estas possam ser aumentadas e facilitadas, nomeadamente para as famílias que têm maiores necessidades», adiantou.

Pedro Mota Soares explicou que a lógica não é tornar esta medida uma «eterna resposta social», esperando que a partir de 2014 seja possível reduzir o número de cantinas sociais disponíveis, com a expetável melhoria da situação económica do país.

O Programa de Emergência Social vigora, pelo menos, até ao final de 2014, vai custar cerca de 630 milhões de euros e estima chegar a perto de três milhões de pessoas.
Partilhar
EM BAIXO: Pobreza
Pobreza
COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista