A mesa da Convenção Nacional do Bloco de Esquerda interrompeu hoje os trabalhos, depois de se ter registado um empate entre as duas principais listas para a direção do partido.

As listas à Mesa Nacional do BE dos atuais coordenadores, João Semedo e Catarina Martins, e a de Pedro Filipe Soares registaram um empate de 259 votos cada, ficando por definir a próxima liderança do partido, já que a coordenação da Comissão Política cabe normalmente à lista mais votada para a Mesa Nacional.

O regulamento da Convenção Nacional do BE estipula que a mesa que dirige os trabalhos deve convidar a lista mais votada para a Mesa Nacional a intervir no final dos trabalhos.

Em declarações às televisões, quer João Semedo quer Pedro Filipe Soares desvalorizaram o facto de ter havido um empate, sublinhando que a Mesa Nacional é o órgão máximo do BE e que será esse órgão a decidir posteriormente a questão da liderança.

João Semedo disse que irá encerrar os trabalhos da IX Convenção e que, nesse discurso, apontará o que defende ser a solução para a futura liderança do partido.

Por outro lado, a moção de orientação política U, proposta pela direção cessante do BE, Catarina Martins e João Semedo, obteve o maior número de votos na IX Convenção do BE, 266. A moção de orientação política que obteve mais votos vigora para os próximos dois anos.

Moção política de João Semedo e Catarina Martins com maioria dos votos

A moção de orientação política U, proposta pela direção cessante do BE, obteve o maior número de votos na IX Convenção do BE, 266, anunciou hoje a mesa.

A moção U, de Catarina Martins e João Semedo, obteve 266 votos dos delegados, enquanto a moção E, de Pedro Filipe Soares, «Bloco Plural, fator de viragem», obteve 258 votos.

A moção A, «Uma resposta de esquerda», obteve 8 votos, a moção B «Refundar o Bloco», de João Madeira, teve 44 e a moção R, «Reinventar o Bloco», teve 38 votos.

A votação decorreu por braço no ar e não houve qualquer abstenção, anunciou Helena Pinto, da mesa da IX Convenção do BE.