O Bloco de Esquerda (BE) questionou hoje o Governo sobre a falta de limpeza nos 1.545 hectares, cerca de 14%, da área não ardida do Pinhal de Leiria, alegando que aquela mata nacional possui elevadas quantidades de combustível que aumentam os riscos de incêndio.

Na pergunta dirigida ao Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, os deputados do BE alegam que os 1.545 hectares que não arderam em outubro de 2017 "ainda não foram alvo de qualquer intervenção florestal significativa na gestão de combustíveis" e que, em boa parte, a mata "continua intransitável, ocupada por plantas invasoras e com elevadas quantidades de combustível que aumentam os riscos de incêndio".

Considera o Governo urgente garantir medidas de gestão de combustível nos 14% de área não ardida da Mata Nacional de Leiria? Se sim, para quando se prevê esta intervenção?", perguntam os deputados bloquistas.

Adiantam querer ser esclarecidos sobre que medidas tomou o Governo "para garantir melhor gestão florestal e maior resiliência aos fogos da floresta pública", depois de um ano de 2017 "em que arderam dezenas de milhar de hectares de matas nacionais", não só em Leiria, mas também a norte, nas matas nacionais do Pedrógão e Urso, entre outras.

O BE quer ainda saber se a Comissão de Científica para a Recuperação das Matas Litorais, criada na sequência dos incêndios de outubro de 2017 "já produziu algum trabalho de suporte ao Plano de Intervenção", qual a data prevista para a concretização do referido plano e quem são os investigadores e técnicos que fazem parte daquela entidade.

Considera o Governo necessário garantir a auscultação e a participação da população local nas decisões de planeamento e recuperação da Mata Nacional de Leiria e restantes matas litorais afetadas pelos fogos em 2017? Se sim, para quando e de que forma se prevê a sua concretização", questionam ainda os deputados do BE.

Por outro lado, o Bloco de Esquerda pretende ainda saber se o Governo considera "pertinente" a possibilidade de virem a ser instaladas explorações agrícolas de regadio, quer na mata nacional de Leiria, quer nas matas nacionais adjacentes.