A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua considerou, esta sexta-feira, que o esboço do Orçamento do Estado para 2016 hoje conhecido é o "arranque esperado" e que respeita os pontos essenciais dos acordos estabelecidos entre os partidos de esquerda.

"Este ‘draft’ é o arranque esperado, que respeita os compromissos que foram feitos e outra coisa não poderia ser esperada deste Governo. Esperemos que corra da melhor forma, que o documento chegue rapidamente ao Parlamento", disse Mariana Mortágua aos jornalistas, no final de uma arruada da candidata presidencial apoiada pelo BE, Marisa Matias, no Porto.


Para a deputada do BE, o ‘draft' "respeita os pontos essenciais" do acordo estabelecido com o PS, elencando as medidas que constam e pelas quais o partido tanto lutou: repor os salários, retirar a sobretaxa, descongelar as pensões e reposição do abono de família".

A deputada bloquista optou para deixar a análise de "tudo o resto" para "o momento em que a versão final será apresentada no Parlamento", garantindo que o BE vai "discutir este orçamento e quer lutar para melhorá-lo, tanto quanto possível".

"Está na altura de haver um Governo que entre respeitar compromissos internacionais - que nada têm a ver com o seu povo - ou respeitar os compromissos eleitorais que fez, respeite acima de tudo os compromissos internos e eleitorais. Não permitiremos que, em nome de uma qualquer subserviência a Bruxelas, este Governo quebre os compromissos que fez, quer com os eleitores quer com o BE", avisou.


Para Mariana Mortágua, "quem está a fazer as negociações com Bruxelas é o Governo, não é o BE".

Questionada pelos jornalistas sobre se este é um Orçamento também do BE, a deputada respondeu: "considero que há medidas neste orçamento que obtiveram claramente o nosso apoio. Mas eu não conheço todo o orçamento e, por isso, obviamente, não posso dizer nem que sim nem que não a um orçamento que não conheço na integra".