O PS condenou esta quinta-feira a privatização dos CTT anunciada pelo Governo, acusando o executivo de aproveitar a crise política para prosseguir um processo que «lesa os interesses nacionais».

«Hoje estamos aqui para condenar a privatização dos CTT. O Governo aproveita a crise política, o folclore da moção de confiança e o ¿sai e entra' do Governo para prosseguir mais uma privatização, de modo a lesar os interesses nacionais», criticou o deputado do PS Rui Paulo Figueiredo, numa declaração aos jornalistas no parlamento.

O Conselho de Ministros aprovou hoje o processo de privatização dos CTT - Correios de Portugal, a «realizar-se mediante a alienação das ações representativas de até 100%» do capital social da empresa".

«É mais uma negociação direta, particular, que não tem a transparência necessária para ser feita por concurso internacional. Esta é uma empresa que dá lucro. O PS tem defendido que todos estes processos de privatização deviam ser revisitados, à luz de uma atualização do memorando de entendimento (com a troika)», disse.

O diploma governamental «prevê a alienação do capital social dos CTT através de venda direta de referência, tendo em vista o desenvolvimento estratégico da empresa», bem como através de oferta pública de venda.

Numa declaração aos jornalistas no parlamento, o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, criticou duramente a privatização dos CTT, «uma empresa estratégica, que é lucrativa» e «levou séculos a construir».

«Afinal este Conselho de Ministros não traz nada de novo, mas apenas a continuação da mesma política», afirmou o deputado do BE.

«Um Governo que, depois da sua remodelação, assume na primeira reunião do Conselho de Ministros ir contra o povo naquilo que o povo tem defendido como seu, que é um serviço público essencial, demonstra que esta segunda fase da legislatura afinal é mais do mesmo», cita a Lusa.

O PCP afirmou hoje que a privatização dos CTT é contraditória com o novo ciclo anunciado pelo Governo e garantiu que «vai fazer tudo que está ao seu alcance para impedir» a concretização deste processo.

«O PCP manifesta, como tem manifestado, total desacordo com o objetivo e à decisão de privatização dos CTT, o Governo toma uma decisão contra a população e contra os trabalhadores», declarou a deputada comunista Paula Santos aos jornalistas, no parlamento.