Os ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa vão ser ouvidos em simultâneo sobre a redução da presença norte-americana nas Lajes (Açores), numa audição conjunta das respetivas comissões parlamentares, segundo um requerimento da maioria PSD/CDS-PP aprovado esta terça-feira, noticia a Lusa.

O requerimento da maioria foi aprovado na comissão parlamentar de Defesa, com votos favoráveis do PSD e do CDS e a abstenção de socialistas e bloquistas, devendo ser ainda votado na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros.

A maioria chumbou ainda uma proposta de aditamento do PS para ouvir o ministro da Defesa antes da Comissão Bilateral Permanente entre Portugal e os Estados Unidos, que se reúne a 11 de fevereiro.

A audição dos dois governantes - ainda sem data marcada - terá lugar depois deste encontro entre os governos português e norte-americano.

O embaixador dos Estados Unidos em Portugal, Robert Sherman, recusou o convite para a audição dos deputados da comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros sobre a redução de pessoal na base das Lajes, informou o deputado centrista Filipe Lobo d'Ávila.

O pedido de audição tinha sido proposto pelo PSD, depois de conhecida, no início do mês, a decisão dos Estados Unidos de reduzir gradualmente os trabalhadores portugueses da base das Lajes de 900 para 400 pessoas ao longo deste ano, e dos civis e militares norte-americanos de 650 para 165.

Os Estados Unidos da América anunciaram que vão retirar das Lajes 500 militares e civis, deixando na ilha Terceira menos de 200 pessoas, e que vão dispensar 500 trabalhadores portugueses.

Os EUA apresentaram no início do mês as conclusões do relatório sobre a reorganização das forças militares norte-americanas na Europa, o qual prevê a redução gradual dos trabalhadores portugueses da base das Lajes de 900 para 400 pessoas ao longo deste ano, e dos civis e militares norte-americanos de 650 para 165.

O Governo português reagiu exprimindo o «forte desagrado» pela «decisão unilateral» dos EUA, alertando que as alternativas sugeridas pela administração norte-americana até agora são incapazes de mitigar o impacto económico e social na ilha Terceira, que considerou «especialmente preocupante».

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu no Parlamento que os Estados Unidos «não podem deixar de atender» ao impacto económico da redução da sua presença na Base das Lajes e admitiu suscitar a revisão do acordo técnico bilateral.

Esta terça-feira também ficou a saber-se que o presidente do Governo dos Açores vai ser recebido pelo Primeiro-Ministro.