Na terra do galo de Barcelos, Sampaio da Nóvoa foi recebido com toda a simplicidade típica do Minho.  Entre cantores bem ensaiados e cantigas à desgarrada, o candidato milhoto ouviu das bocas dos seus apoiantes as maiores palavras de incentivo à sua candidatura.
 

“Queremos um presidente
Bem formado e seguro
Que nos livre do presente
E nos garanta o futuro”!

 
Futuro esse com que Sampaio da Nóvoa não precisa de sonhar, pois para Nelo Aguiar, um cantador à desgarrada que não quis perder a hipótese de vir falar com o candidato enquanto este comia um “sonho”, doce típico daquela zona.
Se ganhará ou não, só se saberá no próximo dia 24. Certo é que o Minho mostrou estar com este filho da terra e, tendo-o ali tão perto, não se coibiu de mostrar isso mesmo. Entre a pasteleria Arantes e o mercado de Barcelos, muitos foram aqueles que fizeram o professor parar na sua caminhada para lhe mostrar o seu incentivo.

E quando não eram as pessoas a pará-lo era o próprio candidato a parar e a entrar em lojas para as cumprimentar. "Ele é um homem charmoso, lá vai ele para a presidência, porque ele é o único homem que tem inteligência", cantava Nelo Aguiar enquanto o professor avançava pelas ruas da cidade.

A Sampaio da Nóvoa, nada do que aconteceu em Barcelos lhe pareceu estranho. Os abraços apertados, os beijos repenicados, os apertos de mão vigorosos e até os galanteios que foi ouvindo das senhoras mais atrevidas lhe soavam familiar.

“Faz parte da maneira de ser muito minhota”, confessou o cndidato, dizendo que aquela maneira muito carinhosa como era recebido o faziam recordar das tias.

Entrando no mercado, os galanteios subiram de tom e de atrevimento, com várias senhoras a elogiar o “charmoso” candidato:   “voto no da barbinha branca, que é o que tem mais charme", dizia uma das vendedoras.

“Eu não sei o nome dele, mas levava-o para casa”.

 

Todo o apoio é bem-vindo


Depois dos elogios, era hora de uma breve conversa com os jornalistas – com quem foi recordando a sua infância ao longo de toda a manhã  - sobre política, mais propriamente sobre as críticas que Manuel Alegre lhe apontou no dia anterior.

No entanto, Sampaio da Nóvoa rejeitou comentar as acusações, optando por reafirmar que apresentou a sua candidatura “há muito tempo”, “sem esperar por ninguém, sem esperar pelo apoio de nenhum partido”.

"Nunca fiz nenhum discurso contra os partidos, antes pelo contrário, sempre disse que todos os partidos, que todos os militantes e que todas as estruturas eram muito bem-vindas a esta candidatura”.


Tal como será bem-vindo o apoio de "toda a gente que seja contra o candidato que representa valores contrários" numa possível segunda volta, incluindo o de Maria de Belém. Caso não seja o candidato a passar, apoiará o candidato que defronte Marcelo Rebelo de Sousa.

"Se não for eu a passar à segunda volta [das eleições presidenciais], o candidato que passar à segunda volta terá o meu apoio e a minha mobilização para derrotar o candidato que representa valores diferentes daqueles que eu procuro representar”.
 

Uma maratona pelo Minho em 24 horas


Foi a muito custo que Sampaio da Nóvoa se despediu de Barcelos e rumou a Ponte de Lima, “coração” da região que o viu nascer. “É um orgulho estar no coração da região. É a partir das minhas raízes que faço a minha candidatura”, afirmou do topo das escadas de uma fonte, em plena praça central.

 


Sentindo-se em casa, o antigo reitor da universidade foi distribuindo cumprimentos pelas esplanadas cheias numa tarde de sábado solarengo. Um aperto de mão aqui, um beijinho ali, até que surge uma criança no meio da esplanada que se mete com o candidato. Admirador confesso dos mais pequenos, Sampaio da Nóvoa não resiste e pega na pequena Angelina ao colo, para gaúdio da menina de oito anos.

À sua volta a multidão vai crescendo, mas nem todas as palavras que se ouvem na praça são de boas vindas a Nóvoa. Numa das esplanadas, um senhor que lia tranquilamente o seu jornal, parece não gostar da confusão que de repente invadiu a praça. “Desapareçam, estão-me a incomodar”.

Mas não incomodou Manuel Trigo, que tentava resolver as palavras cruzadas do jornal quando o professor se aproximou dele. Sem se deixar intimidar pelo desafio, Sampaio da Nóvoa arriscou em uma ou duas respostas. “Confie em mim”, disse a Manuel Trigo. E as respostas estavam certas.
 
Finda a visita, Sampaio da Nóvoa iniciava a verdadeira maratona da tarde: Monção (onde visitou o Museu Alvarinho), Valença (a terra que o viu nascer), Vila Nova de Cerveira e Caminha (a visita mais especial da tarde). E foi ao iniciar esta maratona que o candidato viveu um dos momentos mais emocionantes do dia. Logo à entrada de Valença, na estrada que liga a cidade a Monção, a caravana SNAP encostou os carros à berma da estrada, ligou os quatro piscas, e Sampaio da Nóvoa saiu da monovolume branca que o transporta. Estava parado frente à casa que o viu nascer.

 


“Eu e os meus quatro irmãos, nascemos os cinco aqui, no mesmo quarto e na mesma cama e com o mesmo médico-parteiro, o doutor Matos Lima. Era uma casa de aldeia, levou uma volta muito grande. Aqui em baixo era mais como um celeiro, para guardar produtos, e tinha um grande jardim para trás”.


Hora de continuar viagem, pois há uma visita marcada no Museu do Alvarinho. À sua espera, um rancho e dezenas de apoiantes, entre os quais Nuno Portas, pai de Paulo Portas, o ainda líder do CDS-PP, que afirmou considerar que Sampaio da Nóvoa é o candidato mais “capaz” para Belém.

"Há muitas pessoas interessantes, mas esta é a que tem mais capacidade para aquilo que pode acontecer nos próximos tempos".

Apesar de ser amigo de Marcelo Rebelo de Sousa, o arquiteto, que conheceu Nóvoa enquanto professor da Universidade de Lisboa, considerou os dois candidatos são “muito inteligentes” e que qualquer uma das soluções não resultará em "desastre".
 

O candidato “humilde”

Outro dos momentos altos do sétimo dia de campanha de Sampaio da Nóvoa foi o encontro com alguns dos colegas da primária em Caminha. Abraços sentidos, de quem não se via há 50 anos, ou desde ou verão, depois das mesmas décadas sem se ver. A visita, onde reviu alguns dos colegas que esta noite estiveram na pequena arruada, aconteceu depois de ter recebido, por parte dos amigos de infância, uma carta de apoio à sua candidatura.

 


Rodeado por vários colegas, o candidato presidencial foi recordando nomes e “tempos muito especiais” que viveu na cidade durante a infância

"Jogava bem com os dois pés. E à baliza também ajudava. [Nos estudos] Era o melhor da turma”, afirmou um dos colegas, enquanto Nóvoa replicava que tinha sido “um dos melhores”. 

 

“Era o melhor. É verdade, é! Ele é que é muito humilde”.


A cada passo que dava, Nóvoa encontrava mais uma cara conhecida. O senhor Alberto, que fez questão de o cumprimentar antes do discurso na praça, afirmava enquanto caminhava: “Da minha parte conta com dez votos!”

Mas na sua terra, o candidato não conta apenas com os votos vindos “da parte” do senhor Alberto. Para o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, na cidade “a vitória é garantida”, mesmo que seja na segunda volta.
 

“Apelamos ao povo de esquerda”

Em Viana de Castelo, depois de um dia recheado de emoções, Sampaio da Nóvoa encontrou uma sala com cerca de duzentas pessoas, entre as quais Vieira da Silva, ministro da Segurança Social, que marcou presença no comício que encerrou o sétimo dia de campanha.

Num discurso de mais de vinte minutos, Vieira da Silva apelou à esquerda que vote em Sampaio da Nóvoa e apontou críticas ao “candidato comentador”, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Apelamos ao voto. Apelamos voto em Sampaio da Nóvoa para a mudança. Apelamos, eu vou dizer mesmo, ao povo de esquerda, que escolha o único candidato que está em condições de derrotar o candidato da direita. A esquerda é a maioria do país, a esquerda é a maioria do povo. A esquerda não pode ceder à indiferença, a esquerda tem de escolher”.


E, para o ministro, a escolha dos portugueses deve ser Sampaio da Nóvoa, porque "é aquele que está em melhores condições para ajudar a mudar o país e para construir o futuro".

Quanto a Marcelo Rebelo de Sousa, Vieira da Silva deixou claro: o “candidato comentador”, a quem “qualquer fato serve”, acha que merece ser Presidente porque se “preparou desde criança para ser presidente”.

"Há um candidato que parece pensar que os portugueses devem votar nele porque ele merece ser Presidente e porque ele se preparou desde criança para ser Presidente".


No entanto, Vieira da Silva tem a certeza que os portugueses "sabem o Presidente de que precisam" e que sabem que Sampaio da Nóvoa está à altura do desafio.

Até porque, segundo o próprio, a experiência como um "servidor público, um promotor de diálogos e de compromissos", já a traz dos tempos de reitor na Universidade de Lisboa, lembrados durante o discurso em Viana do Castelo.


"Se julgam que é difícil colocar dois políticos de acordo, garanto-vos que só pensam isso porque não conhecem muitos professores universitários".


Este domingo, a caravana SNAP estará em Lisboa para um grande almoço-comício em Lisboa, onde são esperadas mais de 1600 pessoas, e que contará com presença do antigo Presidente da República Jorge Sampaio. Após o almoço, segue para os Açores, de onde regressará na tarde de segunda-feira.