A bancada do PS enviou, esta terça-feira, para os restantes grupos parlamentares uma proposta de voto de condenação contra a aplicação de eventuais sanções a Portugal pela Comissão Europeia, considerando-as "injustas, incompreensíveis" e com efeitos "contraproducentes.

Tal como refere um comunicado do Grupo Parlamentar do PS difundido ao início da tarde, com esta iniciativa os socialistas procuram chegar com as restantes bancadas a um texto comum condenatório da aplicação de sanções a Portugal - documento que deverá ser objeto de votação na próxima quinta-feira em plenário da Assembleia da República.

Em termos de conteúdo, fonte socialista referiu à agência Lusa que o texto considera em primeiro lugar "injustas" as sanções contra Portugal, depois da aplicação de um Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), entre 2011 e 2014, que obrigou a população do país a pesados sacrifícios.

Na mesma linha da intervenção proferida no domingo pelo líder socialista, António Costa, na sessão de encerramento do Congresso Nacional do PS, o texto agora proposto, cuja elaboração foi coordenada pelo dirigente João Galamba, classifica como "incompreensíveis" essas sanções contra Portugal, alegando-se que a própria Comissão Europeia elogiou as políticas colocadas em marcha no país e que produziram os resultados conhecidos no final de 2015.

Na proposta de voto do PS, ainda de acordo com a mesma fonte, a bancada socialista adverte que sancionar Portugal teria efeitos "contraproducentes", prejudicando o crescimento económico e a capacidade das finanças públicas do país honrarem os compromissos de consolidação orçamental.

BE apoia PS, mas vai apresentar "sugestões" de alteração

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda disse que está a ultimar "sugestões" de alteração ao voto do PS de condenação contra eventuais sanções de Bruxelas a Portugal, mas garantiu empenhamento na aprovação do documento.

Estas posições foram assumidas por Pedro Filipe Soares no parlamento, após interrogado pelos jornalistas sobre o teor da proposta de voto apresentada pelo PS no sentido de a Assembleia da República se manifestar contra a possibilidade de a Comissão Europeia aprovar sanções contra Portugal.

O Bloco de Esquerda já fez algumas sugestões ao PS para que o voto possa ter alguma alteração. Estaremos sempre ao lado da maioria que se levanta no país contra sanções absurdas de Bruxelas", declarou Pedro Filipe Soares.

Ainda de acordo com o líder parlamentar bloquista, "já num passado recente" o Bloco de Esquerda se posicionou nesse sentido de repudiar eventuais sanções aplicadas por Bruxelas.

Estaremos ao lado daqueles que votarão contra essas sanções aqui no parlamento. Acreditamos ser possível fazer com tranquilidade e naturalidade esse caminho até à próxima quinta-feira", acrescentou, sem nunca se pronunciar sobre o teor em concreto da proposta de voto apresentada pelo PS.