O presidente do PSD garantiu esta quinta-feira que o seu partido não vai usar em campanha eleitoral questões como a que surgiu com a compra da casa do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Esperaria que a doutora Teresa Leal Coelho pudesse, em nome do PSD, fazer uma declaração sobre essa matéria. Não quero estar a envolver-me diretamente nessas questões que julgo, não são propriamente de campanha, mas que podem acabar por ter algum efeito", afirmou Pedro Passos Coelho em Vila Velha de Ródão, distrito de Castelo Branco.

O líder social-democrata, que falava aos jornalistas à margem de um lanche com os candidatos autárquicos locais do partido, adiantou que isso não quer dizer que as pessoas não tenham direito a ter informação sobre o assunto ou que o Ministério Público investigue o caso.

Nós não utilizaremos este tipo de questão na campanha eleitoral, o que não quer dizer que as pessoas não tenham direito a ter informação e a saber o que é que se possa ter passado e que o Ministério Público não investigue o que ache", concluiu.

Em causa está um apartamento que era propriedade de uma das herdeiras do grupo Teixeira Duarte e que Fernando Medina adquiriu, em 2016, por 645 mil euros. 

Uma rápida pesquisa online mostra que o valor do T4 duplex que o autarca de Lisboa comprou é inferior ao preço de mercado, uma vez que apartamentos do género nas Avenidas Novas são vendidos por mais de um milhão de euros.

Segundo o jornal Público, quando a antiga proprietária adquiriu o imóvel pagou, em 2006, 843 mil euros. Mais 198 mil euros do que pagou Medina passado 10 anos. 

No entanto, o autarca afirmou aquele jornal que o preço que pagou está muito acima dos preços de mercado e que quando o apartamento foi colocado à venda, através de uma agência, o valor pedido era de 643 mil euros, tendo oferecido mais 10 mil euros para fazer face a outros interessados.