O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva, prestou esta terça-feira homenagem, em Paris, às vítimas dos atentados de sexta-feira e manifestou a sua solidariedade para com o povo francês e os portugueses residentes em França.

"Como é evidente, não poderia deixar de - estando em Paris - prestar homenagem e mostrar solidariedade com o povo francês, com o governo francês e com a nossa comunidade de portugueses radicados em França num momento muito difícil relativamente ao qual todos os portugueses têm manifestado solidariedade e expressado, de todas as formas, um abraço fraterno relativamente a todas as famílias enlutadas mas também ao povo francês", declarou aos jornalistas.

O ministro depositou uma coroa de flores junto à sala de concertos Bataclan, acompanhado pelo embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, pelo representante de Portugal junto da OCDE, Paulo Vizeu Pinheiro, por Hermano Sanches Ruivo, autarca em Paris, e Paulo Marques, autarca em Aulnay-sous-Bois.

Moreira da Silva sublinhou "a forma extraordinária como os franceses têm reagido a uma provação tão grande como esta perante um crime hediondo, bárbaro, que chocou toda a humanidade", segundo a Lusa.

"Penso que é importante num momento como este expressar a nossa solidariedade, mas também demonstrar que não devemos deixar de prosseguir toda a nossa atividade de combate a todas estas expressões. O combate ao terrorismo é um combate em todos os países e o povo português tem tido oportunidade de expressar esta solidariedade com o povo francês", reiterou.

Moreira da Silva deslocou-se a Paris para a reunião ministerial da Agência Internacional de Energia que decorre hoje e amanhã na Agência de Energia Nuclear e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e que reúne ministros de 29 países-membros da AIE e de países parceiros, bem como representantes da União Africana, União Europeia e da OCDE.

A reunião tem como tema “Inovação para um Futuro Energético Limpo e Seguro” e decorre a duas semanas da COP21, a Cimeira de Paris sobre o clima, cuja realização se vai manter entre 30 de novembro e 11 de dezembro, com medidas reforçadas de segurança.

"Eu penso que a circunstância de se ter mantido a reunião da Agência Internacional de Energia, juntando 40 ministros, foi um gesto importante na medida em que, a par da solidariedade com o povo francês é fundamental também uma demonstração de determinação relativamente a todos aqueles que combatem todas as expressões de terrorismo", vincou o ministro.

Moreira da Silva escusou-se a falar sobre qualquer alteração nos procedimentos de segurança em Portugal, dizendo apenas que "é fundamental conciliar liberdades individuais com segurança coletiva".

O grupo radical sunita Estado Islâmico reivindicou no sábado os atentados perpetrados na sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses, e mais de 300 feridos.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como “ataques terroristas sem precedentes no país”.