O Presidente da República inaugurou esta quarta-feira, em Berlim, a exposição de arquitectura «Portugal Fora de Portugal», que reúne exclusivamente projectos de autores portugueses construídos em 15 países do mundo, noticia a Lusa.

A «lição de Berlim», segundo Cavaco

A exposição estará patente ao público no Aedes Architekturforum, no centro da capital alemã, até 9 de Abril.

Acompanhavam Cavaco Silva, que está a efectuar a primeira visita de Estado à Alemanha, o Ministro da Cultura, José António Ribeiro, o arquitecto Siza Vieira e o cineasta Manoel de Oliveira, entre outras individualidades.

Na opinião do curador, arquitecto Ricardo Carvalho, o elo comum da exposição, para além da nacionalidade portuguesa dos autores, «é o enorme pragmatismo com que abordam contingências, e a sua capacidade poética e lírica».

Trata-se na opinião do arquitecto português que orientou a mostra, de uma «associação muito eficaz, e que nem sempre acontece na chamada arquitectura comercial».

Os projectos apresentados são de Aires Mateus, Álvaro Siza Vieira, Jun Saung Kim, ARX Portugal, Atelier do Corvo, Barbini Arquitectos, Gonçalo Byrne, Inês Lobo e Pedro Domingos.

Carrilho da Graça, João Mendes Ribeiro, José Adrião, Manuel Graça Dias é Egas José Vieira, Pedro Reis, Promotório Arquitectos Obol XI, Lojas, Risco, Sami Arquitectos, Souto de Moura e Vilela & Gordon completam o leque de arquitectos ou gabinetes de arquitectura representados na mostra.

As obras têm a particularidade de terem sido edificadas fora de Portugal, em Angola, na Bélgica, Brasil, China, Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Cabo Verde, Coreia, Timor-Leste, Suíça, Espanha, República Checa e Hungria.

Uma das maquetas apresentada na mostra é a do edifício da futura Embaixada de Portugal em Berlim, a edificar no centro da cidade, provavelmente a partir de 2010.

Segundo o catálogo, a exposição destina-se a «sublinhar a grande importância e a influência da arquitectura portuguesa no contexto internacional».

Com estas obras de arquitectos lusos de renome além-fronteiras, pretende-se «chamar a atenção para a vitalidade, o modernismo das formas e a divulgação internacional dos projectos», diz-se no catálogo.