O Ministério do Interior espanhol considera que o furto de armas, munições e outro material de guerra, na passada quarta-feira em Tancos, tem por detrás redes de crime organizado e nada tem a ver com movimentos extremistas islâmicos.

De acordo com o jornal El Mundo, a informação chega de fonte do Ministério espanhol do Interior e terá sido dada ao titular da pasta pela homóloga portuguesa, Constança Urbano de Sousa, na cimeira sobre segurança que decorre esta segunda-feira em Sevilha, que conta também com o congénere marroquino e o embaixador francês em Madrid.

O ministro espanhol Juan Ignacio Zoido terá assim sido informado que o furto de material de guerra em Tancos terá por detrás redes internacionais de tráfico de armas e não tanto qualquer organização terrorista.

O jornal escreve ainda que o furot em Tancos "gerou um enorme alarme internacional", com "a consequente polémica política no país vizinho pela falta de segurança no paiol do Exército".