António Guterres poderá não ser o candidato socialista às próximas eleições presidenciais. O semanário «Expresso» refere que o antigo primeiro-ministro poderá candidatar-se a secretário-geral das Nações Unidas.
 
Se por um lado António Guterres conta com o apoio de nomes grandes do Partido Socialista (PS) para avançar à corrida por Belém em 2016, por outro tem as aspirações de dar continuidade a uma carreira internacional.

O atual Comissário para os Refugiados poderá concorrer ao mandato da ONU daqui a dois anos, exatamente no mesmo ano que se realizam as eleições presidenciais. Mas, embora diga que «não é este o momento para pensar nisso», António Guterres tem na mira o lugar ocupado atualmente por Ban Ki-moon, garantem fontes próximas ao antigo primeiro-ministro.

E há mesmo quem diga que António Guterres conta já com o apoio de «alguns países importantes que já tomaram uma posição favorável a uma eventual candidatura». Ana Gomes frisa mesmo o «enorme prestígio» que o socialista conquistou em Nova Iorque e o facto de os Estados Unidos poderem ser um forte aliado na corrida por um mandato na ONU.

Ban Ki-moon cessa funções de secretário-geral da ONU em 2016 mas, de acordo com a rotatividade do organismo, o sucessor deverá ser da Europa Oriental. Mas a tensão entre a Rússia e a Ucrânia poderá abrir portas a um candidato da Europa Ocidental, estando, aqui, a oportunidade para António Guterres avançar.