O ex-ministro Alberto Costa e os deputados André Figueiredo, José Lello e Fernando Serrasqueiro, elementos do núcleo político do anterior primeiro-ministro, José Sócrates, não fazem parte das listas de candidatos do PS nas próximas eleições legislativas.

As listas de candidatos a deputados socialistas foram fechadas esta terça-feira já de madrugada, ao fim de quase cinco horas de reunião da Comissão Política Nacional do PS, com a maioria das listas dos 22 círculos eleitorais a serem aprovadas sem grande controvérsia, tendo a discussão mais tensa acontecido no ponto referente à escolha dos candidatos pelo distrito de Coimbra, o último a ser votado.

Apesar da saída de André Figueiredo, José Lello e Fernando Serrasqueiro do Parlamento, um membro da direção do PS rejeitou à agência Lusa qualquer ideia de afastamento de "socráticos", contrapondo que entram em lugares de destaque pessoas próximas do ex-primeiro-ministro como Capoulas Santos (cabeça de lista por Évora), Isabel Santos e Renato Sampaio (Porto) e Edite Estrela (Lisboa).

Numa declaração à agência Lusa, André Figueiredo, militante pelo distrito da Guarda e que foi eleito deputado nas últimas legislativas pelo círculo eleitoral do Porto, frisou que a sua posição dentro do PS "vem sendo assumida há algum tempo".

"Encontro-me hoje no mesmo sítio de sempre - e daqui nunca me moverei -, orgulhoso do passado e ao lado do PS de forma determinada para alcançar uma vitória que salve este país, não esquecendo, nem hoje nem nunca, os valores da lealdade, da solidariedade e da camaradagem que, na verdade, são os fundamentais da matriz do meu partido", disse.


Reunião "tensa" dos socialistas durou até de madrugada

Nas listas de candidatos a deputados aprovadas pela Comissão Política do PS, por indicação do secretário-geral, António Costa, entram em contrapartida o ex-porta-voz da anterior direção (de António José Seguro) para as questões económicas e financeiras, Eurico Brilhante Dias (número dois em Castelo Branco), a presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Maria Antónia Almeida Santos (segunda na Guarda) e a vice-presidente da bancada socialista Inês de Medeiros (por Setúbal).

Na reunião, segundo fontes da direção socialista, António Costa pediu também à Comissão Política do PS para proceder a pequenos ajustamentos na lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, colocando-se a possibilidade de a constitucionalista Isabel Moreira, que figura em 20.º lugar, poder subir algumas posições.

Membros da Comissão Política do PS disseram à agência Lusa que, numa das suas intervenções, o líder socialista aludiu à necessidade de algumas mudanças para futuro no processo de designação dos candidatos a deputados, admitindo no plano teórico a realização de eleições primárias, mas apontando que a Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) é sempre muito penalizada pelo grande afluxo nesta lista de figuras nacionais, o que, em última instância, prejudica a representatividade de concelhias do distrito da capital com grande peso populacional.

Na Comissão Política do PS, a discussão mais tensa aconteceu na fase de debate sobre a composição da lista de Coimbra, com o presidente da respetiva federação, Pedro Coimbra, a recusar abertamente a inclusão da ex-secretária de Estado Elza Pais, mas com o deputado Paulo Campos a responder com uma intervenção em que criticou a conduta ética e política dos principais dirigentes desta estrutura distrital - o que levou o próprio António Costa a pedir alguma moderação.

Neste ponto, de acordo com dirigentes socialistas contactados pela Lusa, o secretário-geral do PS procurou serenar os ânimos, mas vincando a necessidade de mudanças face à lista inicialmente aprovada pela Federação de Coimbra e salientando a importância da sua escolha pessoal de colocar a professora universitária Helena Freitas como cabeça de lista por Coimbra.