As listas de candidatos a deputados socialistas foram fechadas esta terça-feira já de madrugada, ao fim de quase cinco horas de reunião da Comissão Política Nacional do PS, com a maioria das listas dos 22 círculos eleitorais a serem aprovadas sem grande controvérsia, tendo a discussão mais tensa acontecido no ponto referente à escolha dos candidatos pelo distrito de Coimbra, o último a ser votado.

Apesar da saída de André Figueiredo, José Lello e Fernando Serrasqueiro do Parlamento, um membro da direção do PS rejeitou à agência Lusa qualquer ideia de afastamento de "socráticos", contrapondo que entram em lugares de destaque pessoas próximas do ex-primeiro-ministro como Capoulas Santos (cabeça de lista por Évora), Isabel Santos e Renato Sampaio (Porto) e Edite Estrela (Lisboa).

Numa declaração à agência Lusa, André Figueiredo, militante pelo distrito da Guarda e que foi eleito deputado nas últimas legislativas pelo círculo eleitoral do Porto, frisou que a sua posição dentro do PS "vem sendo assumida há algum tempo".

"Encontro-me hoje no mesmo sítio de sempre - e daqui nunca me moverei -, orgulhoso do passado e ao lado do PS de forma determinada para alcançar uma vitória que salve este país, não esquecendo, nem hoje nem nunca, os valores da lealdade, da solidariedade e da camaradagem que, na verdade, são os fundamentais da matriz do meu partido", disse.

Reunião "tensa" dos socialistas durou até de madrugada

Na reunião, segundo fontes da direção socialista, António Costa pediu também à Comissão Política do PS para proceder a pequenos ajustamentos na lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, colocando-se a possibilidade de a constitucionalista Isabel Moreira, que figura em 20.º lugar, poder subir algumas posições.

Membros da Comissão Política do PS disseram à agência Lusa que, numa das suas intervenções, o líder socialista aludiu à necessidade de algumas mudanças para futuro no processo de designação dos candidatos a deputados, admitindo no plano teórico a realização de eleições primárias, mas apontando que a Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) é sempre muito penalizada pelo grande afluxo nesta lista de figuras nacionais, o que, em última instância, prejudica a representatividade de concelhias do distrito da capital com grande peso populacional.

Na Comissão Política do PS, a discussão mais tensa aconteceu na fase de debate sobre a composição da lista de Coimbra, com o presidente da respetiva federação, Pedro Coimbra, a recusar abertamente a inclusão da ex-secretária de Estado Elza Pais, mas com o deputado Paulo Campos a responder com uma intervenção em que criticou a conduta ética e política dos principais dirigentes desta estrutura distrital - o que levou o próprio António Costa a pedir alguma moderação.

Neste ponto, de acordo com dirigentes socialistas contactados pela Lusa, o secretário-geral do PS procurou serenar os ânimos, mas vincando a necessidade de mudanças face à lista inicialmente aprovada pela Federação de Coimbra e salientando a importância da sua escolha pessoal de colocar a professora universitária Helena Freitas como cabeça de lista por Coimbra.