O novo secretário-geral dos socialistas, António Costa, afirmou no sábado, a propósito da detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates, que o PS não adota a prática estalinista de eliminação de fotografias e assume toda a sua história.

«O PS é um partido que não adota as más práticas estalinistas de eliminação da fotografia deste ou daquele. O PS assume toda a sua história, dos bons e dos maus momentos», declarou António Costa, no sábado à noite, perante uma sala cheia de militantes, na sede do PS, em Lisboa, depois de ser eleito secretário-geral dos socialistas.


António Costa manifestou solidariedade para com José Sócrates, não quis comentar a atuação das autoridades judiciais neste caso e, face à insistência dos jornalistas neste assunto, respondeu que «o PS existe há 41 anos, e existirá por muitos mais anos, e tem uma agenda própria que transcende a agenda mediática do dia de hoje: é a agenda de construção de uma alternativa política para o país».