O secretário-geral do PS defendeu este sábado medidas europeias de combate à migração em massa da periferia para o centro, citando notícias recentes sobre a necessidade alemã de trabalhadores estrangeiros, e a manutenção em Portugal dos jovens qualificados.

«Quando a Alemanha diz que precisa de 500 mil novos imigrantes, nós também podemos dizer que precisamos de 500 mil novos postos de trabalho. A circulação da mão-de-obra tem de ser acompanhada também da criação de postos de trabalho e emprego. Se não, a União Europeia (UE) não se reforça e será cada vez mais frágil», afirmou António Costa.


O líder rosa, numa sessão que contou com depoimentos por videoconferência de portugueses emigrados pelo mundo, organizada pela Juventude Socialista (JS) na Cidade Universitária de Lisboa, sob o lema «Portugal tem futuro», distinguiu a «enorme diferença entre a liberdade de circular e a necessidade de emigrar».

«De facto, as uniões monetárias não aproximam as economias, acentuam as assimetrias. Os equilíbrios que se estabelecem pode resultar por solidariedade orçamental, de que, infelizmente, a UE não dispõe, ou resultam de outro fator - a circulação do trabalho. Esse é o grande processo de ajustamento que está a acontecer na zona euro, que é uma emigração massiva das economias do sul em direção às poucas economias que estão a beneficiar ativamente com o funcionamento da moeda única», aduziu.


António Costa sublinhou ser preciso «regressar a 1966, há quase 50 anos», para encontrar «um número de emigrantes igual» ao de 2013, assinalando tratar-se de «um enorme desafio do ponto de vista económico, mas um terrível desafio demográfico», pois, «nos últimos quatro anos, 9% da população abaixo dos 30 anos e 13% da população entre os 20 e 29 anos» saiu de Portugal.

«Ao contrário do que o primeiro-ministro disse, os jovens mais qualificados não devem partir por não terem futuro em Portugal. É precisamente pensar ao contrário. São necessários a Portugal porque são mesmo a condição de futuro para Portugal. Ao contrário do que disse Merkel (chanceler alemã), não temos licenciados a menos, temos é empregos qualificados a menos para os licenciados que ainda temos a menos e ainda temos de aumentar», insistiu.


A sessão, com a presença, entre outros, da eurodeputada do PS Maria João Rodrigues, ministra da Qualificação e Emprego do primeiro Governo dirigido pelo ex-secretário-geral do PS António Guterres, serviu ainda para Costa reiterar a falta de um «grande programa público de reabilitação urbana e uma política de habitação que assegure rendas acessíveis».

Por seu turno, o líder da JS, João Torres, criticou a maioria PSD/CDS-PP por ter «chumbado» a coadoção por casais do mesmo sexo, além de ter ignorado outras «bandeiras» do movimento jovem socialista como a «regulação da prostituição e a liberalização das drogas leves».