O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta terça-feira que o compromisso do Governo com a saúde “não é de palavras, é real”, afirmando que não dialoga com o bastonário da Ordem dos Médicos, mas com os portugueses.

O meu diálogo não é o com o bastonário. O meu diálogo é com os portugueses e o que eu digo aos portugueses é o que o nosso compromisso com a saúde e com a defesa do Serviço Nacional de Saúde é sagrado e não é de palavras, é concreto”, afirmou António Costa, em Melgaço, distrito de Viana do Castelo.

Na segunda-feira, o bastonário dos Médicos referiu que o diretor clínico do Hospital de Gaia afirmou que ele e os 51 chefes de equipa do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho abandonam funções em 06 de outubro se o Governo não der nenhum “sinal positivo”

Questionado sobre os problemas existentes naquela unidade hospitalar, o primeiro-ministro disse não comentar caso a caso.

Acho estranho que quem esteve tão calado quando houve um corte de 1% do PIB no investimento na saúde esteja agora tão agressivo quando invertemos a política: em vez de cortar investimos, em vez de não contratar, contratamos (…) e assim vamos continuar a trabalhar”, disse.

O primeiro-ministro afirmou que “mais 9.000 profissionais não é uma abstração”, sublinhando serem profissionais que “não estavam no Serviço Nacional de saúde e agora estão”.

António Costa lembrou ainda que o Governo aumentou o número de consultas hospitalares, aumentou o número de camas disponíveis e reduziu de 14 mil para sete mil o número de portugueses sem médico de família.

Costa falava aos jornalistas à margem da inauguração da escola EB 2,3 e secundária de Melgaço, cuja requalificação representou um investimento de 1,3 milhões de euros.