O secretário-geral do PS classificou hoje o encontro com dirigentes do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) como "muito interessante", à semelhança da reunião com o BE, antes de se dirigir para uma audiência com o Presidente da República.

António Costa, após a troca de impressões de cerca de 40 minutos, revelou ainda ter recebido um documento por parte do PAN com várias questões que têm ocupado a sétima força política a conquistar um assento na Assembleia da República, prometendo que o mesmo irá receber a melhor atenção.
 

"Uma reunião muito interessante. O PAN teve oportunidade de nos entregar um extenso documento sobre as suas posições políticas e aquilo que consideram matéria prioritária e matéria temática a desenvolver ao longo da legislatura", disse o dirigente socialista, não respondendo a questões sobre a demissão da comissão política do PS do deputado reeleito Sérgio Sousa Pinto, em desacordo com eventual entendimento à esquerda para a governação.


Costa vincou que o texto do PAN é um "documento muito sólido", prometendo "atenção e estudo cuidadosos" antes de "nova conversa" e confirmou ainda não ter recebido qualquer documentação por parte da coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP), com vista ao aprofundamento das negociações relacionadas com a governabilidade do país.

PSD/CDS-PP, enviaram entretanto uma nota a informar que enviaram às 15:50 ao PS um "documento facilitador de um compromisso" entre as duas partes "para a governabilidade de Portugal" e aguardam que os socialistas marquem uma hora de reunião para terça-feira.

O líder socialista partiu em seguida para o encontro com Cavaco Silva, seis dias depois de o Presidente da República ter recebido o ainda primeiro-ministro e líder da coligação Portugal à Frente, vencedora do sufrágio, mas sem manter a maioria absoluta no parlamento.

António Costa e a sua comitiva - o presidente socialista Carlos César, o especialista em economia Mário Centeno e os deputados Ana Catarina Mendes e Pedro Nuno Santos - encontraram-se, pela manhã, com dirigentes do BE.

PAN quer estar “sentado” na “primeira fila” 

No final do encontro com  António Costa, o porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), eleito deputado há uma semana, declarou-se aberto ao diálogo com todos os movimentos políticos em prol da estabilidade do país, acrescentando que a melhor posição no parlamento é "sentado", na "primeira fila".

Questionado sobre qual o posicionamento ideológico e concretamente a localização física na Assembleia da República, o recém eleito deputado respondeu com ironia que a posição mais confortável é " sentado”, acrescentando que o partido defende “causas, valores transversais a todos os movimentos sociais e políticos”.
 

“Não nos revemos nos tradicionais ‘esquerda, centro, direita', que mais dividem do que unem. O PAN tem uma postura de tentar unir ou, pelo menos, de não dividir", afirmou André Silva.


Segundo o mais recente representante dos portugueses na Assembleia da República, "o PAN gostaria de se sentar na primeira fila", uma vez que é "só um [deputado]" e vai lutar "por ter a maior visibilidade possível".

"O PAN está, na esteira daquilo que tem sido o pedido do Presidente da República - que todos os movimentos políticos devem contribuir para a estabilidade do país -, a contribuir para isso mesmo. Continuamos abertos a falar, ao diálogo, para encontrar soluções", resumiu o dirigente da força política, depois de partilhar com o secretário-geral do PS, António Costa, os principais objetivos para a legislatura.

Ainda segundo André Silva, "o PAN está disposto a falar e dialogar com todos os movimentos políticos cujas soluções garantam estabilidade, felicidade e bem-estar para os portugueses e vão ao encontro" da "proteção e bem-estar animal e da preservação inequívoca e indefetível do meio ambiente".