A Comissão Nacional do PS deverá eleger, no próximo sábado, Ana Catarina Mendes para o cargo de secretária-geral adjunta e aprovar a constituição de uma Comissão Permanente.

Segundo o que uma fonte da direção do PS disse à agência Lusa, Ana Mendes será também a coordenadora da nova Comissão Permanente dos socialistas, podendo integrar elementos que atualmente não pertencem ao Secretariado Nacional do partido.

O nome da socialista já tinha sido anunciado, caso António Costa formasse Governo e fosse primeiro-ministro. Ana Catarina Mendes desempenha atualmente funções de vice-presidente no Grupo Parlamentar do PS e lidera também a Federação de Setúbal deste partido, cargos que deverá abandonar por incompatibilidade com o exercício de funções executivas em órgãos nacionais.

Depois de demissão de Sérgio Sousa Pinto do secretariado nacional do PS, são agora também previsíveis as saídas de Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, e Jorge Gomes, secretário de Estado da Administração Interna, por ambos desempenharem pastas consideradas sensíveis no Governo.

António Costa já tinha anunciado no último congresso do PS, em novembro de 2014, na Feira Internacional de Lisboa, que se fosse nomeado primeiro-ministro, iria propor a eleição de um secretário-geral adjunto que "assegure a vitalidade da vida do partido para além da ação governativa".

O primeiro-ministro acrescentou e que era "fundamental" que a vida do partido prosseguisse "para além da ação governativa e que o partido não se volte, como já aconteceu muitas vezes, a estiolar no seu funcionamento, na sua vida, na sua participação democrática, quando está no exercício do poder".

O cargo de secretário-geral adjunto do PS está previsto nos estatutos dos socialistas desde março de 2012 e foi proposto por uma direção liderada por António José Seguro.

Ana Catarina Mendes assumiu as funções de diretora de campanha de António Costa nas eleições primárias que disputou com António José Seguro, em setembro de 2014.