O ministro da Economia disse esta terça-feira, em Santarém, que os agricultores “dispensam políticos tristes” e advertiu o líder socialista, que também visita a Feira da Agricultura, que o setor quer um discurso de confiança e de esperança.

“Não sei com que tom, com que ar, vem aqui o líder da oposição, mas sei que estes agricultores e agroindustriais, os produtores florestais precisam e querem um discurso de confiança, um discurso de esperança.”


Começando por afirmar que em matéria de agricultura e agroindústria não é “um cristão-novo”, pois trabalha no setor há mais de 20 anos, Pires de Lima frisou que “quando se diz mal da nossa economia está-se a dizer que estes empresários, estes agricultores, não são capazes”.

“Aquilo que os senhores que estão na feira dispensam é políticos tristes, que venham aqui – espero que não venha nenhum, hoje – dizer mal da nossa economia, dizer que está tudo mal. Se a nossa economia está bem, o principal mérito é dos empresários, das empresas, dos gestores, dos trabalhadores do setor privado, que demonstram uma vez mais a sua competência.”


Para Pires de Lima, os políticos “devem fazer o que está ao seu alcance para não prejudicar a economia, para facilitarem a vida aos empresários e agricultores”, frisando que, “independentemente das adversidades” dos últimos anos, os empresários sabem que o Governo “tem estado sempre ao lado dos que procuram criar riqueza”.

“Os agricultores que aqui estão sabem quem vem aqui pela primeira vez com uma cultura de que tem que ser porque este ano é de eleições e os que vêm há uma montanha de anos, estando no poder ou na oposição.”


A 52.ª Feira Nacional da Agricultura foi inaugurada no sábado na presença do Presidente da República, tendo recebido a visita do primeiro-ministro na segunda-feira e do vice-primeiro-ministro esta terça-feira, em comitivas que contaram sempre com a presença da ministra da Agricultura.