O primeiro-ministro, António Costa, disse este terça-feira ser prioritário reforçar as competências dos municípios e apostar na descentralização como uma reforma fundamental para o futuro do país.

“A pedra angular da nossa reforma do Estado tem que ser a descentralização (…) apostando na importância dos municípios, reforçando as competências dos municípios, fazendo os municípios eleger quem dirige as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional e reforçando o quadro municipal, através de áreas metropolitanas que sejam fortes, robustas e que respondam diretamente perante os cidadãos”, afirmou o governante.

António Costa, que falava durante a apresentação de um investimento de 300 milhões de euros em Vila Nova de Gaia, defendeu ser essa “uma reforma fundamental para o futuro do país”, razão pela qual se mostra “prioritário apostar na parceria entre o estado e as autarquias”.

O primeiro-ministro adiantou que na próxima sexta-feira haverá uma reunião do conselho de concertação territorial na qual será apresentado “o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido com a associação nacional de municípios, tendo em vista a definição de seis áreas fundamentais de reforço das competências e meios das autarquias locais, desde o apoio social à área da educação, o novo modelo de áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e também os mecanismos de democratização das comissões de coordenação de desenvolvimento regional”.

“Estamos em boas condições para fazer o que é necessário fazer nesta frente, apostar na descentralização e por via disso termos um estado mais próximo, mais eficiente e com melhor capacidade de responder àquilo que são as necessidades de desenvolvimento regional e local”, disse.

O presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues (PS), anunciou hoje um investimento total de 300 milhões de euros no Centro Histórico de Gaia que quer deixar de ser só a ‘rive gauche’ do Porto e ter uma “dinâmica catalisadora da região”.

O Quadro de Investimento inteligente 2016-2018 de Gaia, hoje apresentado, representa 220 milhões de euros de investimento privado, alavancados por 100 milhões de euros de verbas públicas que permitirão gerar cerca de três mil postos de trabalho.

De passagem por Gaia para conhecer o projeto, o primeiro-ministro visitou o Mercado da Beira-Rio, um edifício que está a ser reabilitado, num investimento integrado no Plano de Regeneração Urbana do Centro Histórico, onde contactou com alguns comerciantes, tendo seguido para o Largo de Aljubarrota, local onde foi descerrada, debaixo de um coro de palmas, uma placa alusiva à nova marca de cidade de Vila Nova de Gaia.

A nova imagem também decorava a composição de metro que levou António Costa desde o Jardim do Morro, ao qual chegou de teleférico e sempre acompanhado pelo presidente da câmara de Gaia.

Também hoje o município de Gaia ganhou uma nova marca, uma imagem multicolor com as quatro letras do nome que visa reforçar a identidade coletiva do concelho, aumentar a sua atratividade, potenciar a economia e representar “todo um mundo”.