O primeiro-ministro voltou a salientar que, com dois trimestres consecutivos a crescer 2,8%, 2017 será "o ano de maior crescimento da economia portuguesa" desde a adesão ao Euro, enaltecendo o mérito das boas políticas e esforço dos portugueses.

Durante o discurso na apresentação do candidato do PS à Câmara de Sesimbra, no distrito de Setúbal, António Costa recordou que desde a adesão de Portugal ao Euro, "desde o princípio do século, o ano em que Portugal mais cresceu foi precisamente há dez anos também com um Governo do PS", tendo então o crescimento do PIB sido de 2,4%.

Estes dois trimestres consecutivos a crescer 2,8% significam que seguramente este ano vai ser o ano de maior crescimento da economia portuguesa desde o princípio do século, desde que aderimos ao Euro. E isso é resultado e mérito de boas políticas e do esforço dos portugueses", enalteceu durante o discurso.

À chegada ao jantar, em declarações aos jornalistas, o primeiro-ministro já tinha sido questionado sobre os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dão conta que a economia portuguesa voltou a crescer 2,8% no segundo trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano passado e, comparando com o trimestre anterior, cresceu 0,2%.

Felizmente para o país porque é um sinal que com boas políticas temos bons resultados e o que estes resultados confirmam é que tendo dado prioridade à reposição de rendimentos das famílias, tendo dado prioridade ao relançamento do investimento foi fundamental para criar condições de confiança para que o investimento esteja a gerar emprego e o crescimento esteja a ser possível", destacou.

De acordo com António Costa, "é sobretudo muito importante que estes resultados de bom crescimento económico e de bom crescimento do emprego estejam a acontecer" mantendo uma trajetória muito responsável da gestão dos dinheiros públicos" para que se prossiga com a redução do défice e se possa reduzir a dívida.

Um ano e meio depois, nós podemos dizer que graças às boas políticas que adotamos temos hoje bons resultados. Pela primeira vez desde 2001 estamos a crescer mais do que cresce a própria União Europeia", destacou.