António Costa afirmou, esta terça-feira, que o Governo foi atacado por uma “epidemia de 'desmemorização'”. O líder socialista, que falou aos jornalistas na Feira da Agricultura, em Santarém, deixou duras críticas a Passos Coelho e a Pires de Lima.

“Este Governo foi de repente atacado coletivamente por uma epidemia de 'desmemorização'. O primeiro-ministro já não se lembra bem o que disse, o ministro da Economia não se lembra bem do estado em que a economia tem estado.”


O secretário-geral do PS reagiu às declarações do primeiro-ministro que, esta segunda-feira, classificou o incentivo à emigração como um “mito urbano”, afirmando que o fenómeno não foi um mito, mas antes “uma dura realidade” para muitos portugueses. Costa sublinhou ainda que “os portugueses têm boa memória” e que “não se esquecem” das promessas e das ideias do Governo.

“O primeiro-ministro já não se lembra que apelou aos portugueses para emigrarem, já não se lembra que prometeu que não aumentaria os impostos. Mas felizmente os portugueses têm boa memória e felizmente não se esquecem das promessas e das ideias ao longo destes anos.”


Já em relação às declarações do ministro da Economia, que esta terça-feira, também na Feira da Agricultura em Santarém, avisou Costa que os agricultores “dispensam políticos tristes”, o secretário-geral do PS lembrou o estado da economia ao longo dos últimos anos e comentou os números divulgados pelo Banco de Portugal que considerou um fracasso.

“Os números do Banco de Portugal demonstram bem o fracasso do que foi a política em ao longo dos anos. Só em 2017 recuperaríamos o estado da economia portuguesa em 2008. Isto demonstra bem o quanto andamos para trás.”


Sobre o caso Sócrates, Costa voltou a reiterar que não comenta decisões judiciais.