O candidato às primárias do PS António Costa disse, esta terça-feira, esperar que a Procuradoria-Geral da República esclareça «com urgência» se existiu ou não algum ilícito envolvendo o mandato de Passos Coelho como deputado entre 1995 e 1999.

Já depois de terminado o debate na RTP com António José Seguro e questionado por esta estação televisiva sobre as questões envolvendo o regime em que o chefe de Governo exerceu o mandato de deputado entre 1995 e 1999, António Costa disse ter a expetativa de que a Procuradoria-Geral da República e a Assembleia da República «esclareçam se há alguma coisa a esclarecer».

«Se houve ilícito, que as responsabilidades sejam apuradas, mas também se não houver nenhum ilícito, que seja publicamente esclarecido que não há», frisou Costa.

Para António Costa, «a PGR tem todas as condições para esclarecer» a questão, dizendo esperar que «o faça com urgência».

«É evidente que uma suspeita sobre um primeiro-ministro não é o mesmo que uma suspeita sobre outra pessoa (...) Deve ser dada toda a prioridade a este esclarecimento, à defesa do bom nome do primeiro-ministro, à defesa das instituições, à defesa da legalidade se for o caso», concluiu.