O secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, espera que a Europa «não desperdice» o périplo que o governo grego está a desenvolver por vários países, defendendo que essa ação deve «reorientar» a política europeia.

«Espero que dê (frutos) porque é essencial que a Europa não desperdice a oportunidade de negociar e de encontrar uma nova política económica que responda àquilo que é necessário. O fracasso da austeridade na Grécia corresponde ao fracasso da austeridade em todos os países da Europa, a começar no nosso, como todos nós sabemos».


António Costa sublinhou ainda que considera «fundamental» que a Europa tenha uma «atitude solidária entre si» e tenha «consciência» que a atual situação «não é um problema grego», mas sim de todos os parceiros europeus.

«Há uma questão europeia, e que é também alemã, francesa e portuguesa, e é em conjunto que nós resolveremos de uma forma solidária este desafio para termos uma economia mais próspera e para isso é essencial travar a austeridade, inverter a política».


Para António Costa, o conjunto de visitas que o governo grego está a desenvolver «é uma boa oportunidade» para a Europa, no sentido de «reorientar» a sua política e de desenvolver uma política «virada para a economia, virada para as empresas».

O secretário-geral do PS defendeu uma Europa que possa «criar» emprego, «gerar» riqueza, sublinhando ainda que só nesse sentido poderá existir «prosperidade».

«Nós não podemos continuar a ter uma política que em vez de apoiar dificulta o trabalho das empresas, em vez de ser amiga do emprego produz desemprego, temos que ter cada vez mais uma política centrada na nossa economia e na melhoria da competitividade e para que isso aconteça é preciso uma nova política na Europa».