O mandatário nacional da candidatura socialista às legislativas, António Arnaut, disse hoje em Coimbra que se tem de mudar a atual maioria por uma "patriótica e de esquerda", expressão normalmente atribuída ao PCP.

António Arnaut, considerado o "pai" do Serviço Nacional de Saúde (SNS), constatou que esta expressão "precisa de ser explicitada, porque está registada como pertencente ao Partido Comunista Português".

No entanto, a seu ver, se a próxima "maioria democrática e socialista formar Governo" e se tomar medidas "no sentido de reduzir as desigualdades e injustiças sociais", será uma maioria patriótica e de esquerda.
 

"Aliviar a dor a quem sofre, criar postos de trabalho para os desempregados, garantir a acessibilidade de todos ao Serviço Nacional de Saúde, reforçar a escola pública - qualquer uma dessas medidas é uma medida patriótica e de esquerda", sublinhou o mandatário nacional da candidatura do PS.


António Arnaut, que falava numa reunião do secretário-geral do PS, António Costa, com os candidatos a deputados a nível nacional, dirigiu-se ao líder socialista para pedir que "a liberdade de escolha na saúde se chame Serviço Nacional de Saúde".

De acordo com o histórico do PS, "a liberdade na saúde é o acesso em tempo útil a um médico e ser tratado com a dignidade que merece", considerando uma cilada afirmar-se que a liberdade de escolha é entre o SNS e o privado.
 

"O SNS é sustentável, porque se não for sustentável, então a democracia não é sustentável", frisou António Arnaut, defendendo que todo o Estado Social "é sustentável".