O presidente do Governo Regional e do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, afirmou esta sexta-feira «estar cansado» da estrutura regional do partido na região.

«Não estou cansado da Madeira, estou cansado do PSD-Madeira», disse Jardim aos jornalistas na Quinta Vigia, a presidência do Governo Regional, à margem da receção da equipa sénior feminina do Clube Amigos do Basquete (CAB), que se venceu a Taça de Portugal nesta modalidade.

O líder social-democrata madeirense considerou ainda que Marcelo Rebelo de Sousa «está enganado», ao colocar, quinta-feira, no Funchal, a possibilidade de Jardim continuar à frente do PSD-M e do executivo insular.

«Eu tenho uma teoria em política, que aprendi aliás com a minha experiência, que é nunca se deve dizer nunca, nem nunca se deve dizer sempre», disse o comentador que se deslocou à Madeira para participar no Congresso Nacional de Medicina Interna.

«Uma vez disse nem que Cristo desça à terra. E depois Cristo desceu à terra. A partir daí aprendi e isso vale para mim e vale para todos», afirmou Marcelo Rebelo de Sousa para justificar a sua opinião.

O presidente do governo madeirense já assegurou várias vezes que este é o seu último mandato, estando marcadas eleições diretas para dezembro deste ano.

Até ao momento foram anunciadas quatro candidaturas à sucessão, apresentadas pelo ex-presidente da câmara do Funchal, Miguel Albuquerque, o eurodeputado Sérgio Marques, o deputado Miguel Sousa e o secretário regional do Ambiente e Recursos Naturais, Manuel António Correia.

Ainda instado a comentar o manifesto assinado por um conjunto de 74 personalidade que solicitaram a reestruturação da dívida de Portugal, Jardim lembrou que «há mais de um ano» que vem defendendo esta medida.

«Para mim não é novidade, tem de haver uma reestruturação da dívida sob pena da terapêutica matar o doente», concluiu.