O ministro da Cultura, João Soares, apresentou, nesta sexta-feira, ao primeiro-ministro, António Costa, a demissão das suas funções no Governo, invocando razões de solidariedade com o executivo.

Um pedido que António Costa aceitou.

Torno público que apresentei esta manhã ao senhor primeiro-ministro, António Costa, a minha demissão do XXI Governo Constitucional. Faço-o por razões que têm a ver com a minha profunda solidariedade com o Governo e o primeiro-ministro, e o seu projeto político de esquerda", salienta João Soares no comunicado enviado à agência Lusa.

No mesmo comunicado, João Soares sublinha "o privilégio que representou" para ter integrado este Governo. 

E ter trabalhado com o primeiro-ministro, a quem agradeço a confiança. Demito-me também por razões que têm a ver com o meu respeito pelos valores da liberdade. Não aceito prescindir do direito à expressão da opinião e palavra", acrescenta.

João Soares referia-se ao caso das "bofetadas", termo utilizado pelo próprio na sua página pessoal do Facebook e dirigido a dois cronistas do jornal Público, na sequência das críticas deste à falta de linha de ação política e ao "estilo de compadrio, prepotência e grosseria".

Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cuzei com a...

Publicado por João Soares em  Quarta-feira, 6 de Abril de 2016

No mesmo dia, tanto o ministro da Cultura, que disse ser um "homem pacífico" como António Costa pediram desculpa a Augusto M. Seabra e a Vasco Pulido Valente, com o primeiro-ministro a alertar os membros do Governo para a sua postura inclusive "à mesa do café".

LEIA TAMBÉM:

As bofetadas de João Soares nas redes sociais

João Soares: "Peço desculpa se os assustei"

PSD e CDS condenam palavras de João Soares