O Presidente da República, Cavaco Silva, enviou esta quarta-feira ao presidente francês, François Hollande, uma carta expressando «condenação e repúdio» pelo ataque ao jornal satírico Charles Hebdo, afirmando que o atentado atingiu a liberdade de imprensa, um «princípio fundamental» da democracia.

«Foi com profunda consternação que tomei conhecimento do atentado perpetrado hoje em Paris, o qual merece a nossa total condenação e repúdio. Este ato provocou um elevado número de vítimas e atingiu um princípio fundamental das nossas democracias, o da liberdade de imprensa», lê-se na missiva divulgada no sítio da internet da Presidência da República.


O Chefe de Estado português transmitiu ao presidente Hollande e ao povo francês, «nesta hora de sofrimento e de luto», sentimentos de «profundo pesar e sentida solidariedade».

Pelo menos 12 pessoas morreram no ataque perpetrado hoje na sede do jornal satírico Charlie Hebdo, no centro de Paris, entre eles o diretor do semanário e três cartoonistas. O atentado foi feito por dois homens armados com uma ´kalashnikov' e um lança-rockets.

O jornal Charlie Hebdo tornou-se conhecido em 2006 quando decidiu republicar 'cartoons' do profeta Maomé, inicialmente publicados no diário dinamarquês Jyllands-Posten e que provocaram forte polémica em vários países muçulmanos.

Em 2011, a sede ficou destruída num incêndio de origem criminosa depois da publicação de um número especial sobre a vitória do partido islamita Ennahda na Tunísia, no qual o profeta Maomé era o «redator principal».