moção de rejeição

 “[PSD e CDS] têm a expetativa que António Costa tenha dificuldades na elaboração do Orçamento [do Estado], com o andamento da economia, e que tenha dificuldades, por isso, com os parceiros à esquerda. [PSD e CDS esperam] que isso se reflita na imagem do Governo na opinião pública, e que isso crie um espaço político para que um novo Presidente da República convoque eleições antecipadas a partir de abril do próximo ano.”






“António Costa vai, num primeiro momento, beneficiar de imediato desta estratégia, desde já na apresentação do programa do Governo, que na prática vai ter uma moção de confiança. António Costa vai ter a sua primeira moção de confiança aprovada sem ter tido que a apresentar, e isso vai reforçar o apoio dos partidos. No médio prazo creio que quanto mais os partidos da direita tiverem um discurso de grande demarcação, de grande crispação em relação ao Governo, e carregarem na tecla de ilegitimidade do Governo, (…) paradoxalmente isto beneficiará António Costa.”