"Séria, honesta e credível". É desta forma que Manuela Ferreira Leite adjetiva a proposta do grupo de trabalho socialista, que foi apresentada esta semana, e que considera uma «alternativa» às medidas do Governo e à austeridade.

 
Para a comentadora da TVI24, o documento foi subscrito por pessoas "de uma independência indiscutível" e "conhecedoras das matérias" e, portanto, merece ser discutido com "atenção e ponderação".
 

"A grande valia é constituir uma verdadeira alternativa e acabarmos de vez com a ideia de via única. Gostaria que fosse a base para, genuinamente e seriamente, se discutir o que está bem, o que está mal, o que tem de ser ajustado…"


Ferreira Leite, que admitiu discordar de "muitas medidas" que constam no documento, com destaque para a redução da TSU, elogiou sobretudo a "preocupação com o crescimento", como tem defendido.
 

"Já não há ninguém que defenda que a austeridade só por si é suscetível de resolver os problemas dos países em dificuldades".


A ex-líder do PSD lamentou que a reação da maioria tenha sido "na base do desprezo", alegando que a proposta "não é credível", ou ameaçando que "vem lá outra vez a troika".
 

"É um papão e um susto que se quer lançar e que não tem base. Tenho pena se isto não servir de base a uma discussão e análise".