Constança Cunha e Sá sublinhou que o Presidente da República, na fundamentação que enviou ao Tribunal Constitucional ao pedir a fiscalização da convergência das pensões, admitiu que o corte nas pensões «é definitivo».

«Cavaco Silva diz que o corte das pensões é definitivo, diz que é uma decisão unilateral e definitiva do Governo. O Presidente é muito claro quando obviamente considera que é um imposto extraordinário», afirmou.

A comentadora frisou que «não estamos a falar de um perigoso esquerdista» e perguntou: «Como é que o Governo pode esperar que o TC deixe passar este diploma?»