Medina Carreira considera que a investigação tem de estar mais ligada à economia para justificar o investimento do Estado e defende que a formação dos investigadores não está bem direcionada.
 
«O nosso ensino é coxo. O que está previsto é entrar e sair licenciado. Não há derivações. Não temos uma série de técnicos, que teriam emprego e apresentariam trabalho imediato e não andavam por aí a vaguear», disse, na TVI24.
 
Já na opinião da investigadora Maria Manuel Mota, a investigação não tem de estar necessariamente ligada à economia.
 
«Não podemos formar empresas sem ideias e as ideias vêm da investigação», afirmou, lamentando que ainda existam poucos doutorados nas empresas.
 
«Mas não podemos ter só estrelas. Temos de ter, por exemplo, pessoas a dar aulas nas universidades. E isso custa dinheiro», avisou.
 
«Por causa do dinheiro andam a protestar todos os dias, mas não se procura arranjar modo de utilizar a investigação na economia», insistiu Medina Carreira.

Maria Manuel Mota exemplificou então que há jovens investigadores que depois criam as suas próprias empresas.